segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Uma cidade especial



O Porto é uma cidade especial no contexto político autárquico nacional. Elegeu Rui Rio contra todas as previsões, penalizando a arrogância de Fernando Gomes que se julgava omnipotente. Manteve Rui Rio contra uma campanha contínua e raivosa do F.C.Porto, privilegiando o rigor e a seriedade ao circo à costumeira hipocrisia dos interesses. Ontem foi coerente e deitou pela borda fora os prometidos eldorados para eleger Rui Moreira. O Porto é por isso um extraordinário exemplo de bom senso democrático.


Foto_CMPorto


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Não vale a pena



Não vale a pena lamentarmos a derrota pela habilidade do árbitro que nos calhou. Não vale a pena perdermos tempo a discutir as atitudes do treinador do Benfica e as cenas lamentáveis da claque que ele tão diligentemente defendeu. Nada de substancial lhes acontecerá pois como se viu pela atitude pedagógica dos “polícias” pareciam eles os prevaricadores e não o treinador do Benfica ou os índios que nos desbastaram, uma vez mais, as cadeiras do D.Afonso Henriques. Guardará a PSP, apesar dos comunicados, para mim ou para si toda a autoridade quando nos atrevermos a estacionar mal a viatura. Na tarde de domingo guardaram a autoridade bem fundo para não incomodar a “nação benfiquista”. Quanto a Jorge Jesus continuará a reinar, como um rei pimba, grosseiro, grotesco e intelectualmente indigente, sem que nada lhe aconteça pois é do Benfica e nós não.

Valerá a pena ter cautela e sermos frios e inteligentes, pois depois do roubo a que o Porto foi sujeito este domingo nós somos o apetecível pato para que o Porto se tranquilize já na próxima sexta. Valerá a pena falar com o Addy e perceber se a ingenuidade e inabilidade demonstradas são um acidente ou uma característica. Valerá a pena apostar na juventude e equilíbrio do jovem Luís Rocha e incentivá-lo como nunca. Valerá a pena pôr novamente a roda trituradora que engoliu o Rijeka novamente em marcha e não perder tempo com os outros. Podemos melhorar e isso é o que deve motivar quem tão bem tem trabalhado em prol do Vitória. O resto são jornais desportivos e tretas tão desinteressantes como aquelas que os alimentam. Somos demasiadamente interessantes para não nos concentrarmos em nós próprios.


Foto_Guimaraes Digital

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Fauve ≠





De França ... outra vez bom vento. Blizzard um dos seis temas de um refrescante EP.

De tronco nu


Na importante e feliz vitória deste fim de semana André André, após um golo de bela execução, tirou a camisola para festejar. Apanhou o competente amarelo e, por ser atleta da minha equipa, não pude deixar de me incomodar com a estupidez do gesto.

De há uns anos a esta parte criou-se, em algumas criaturas, este incompreensível hábito. Mesmo com a penalização do castigo disciplinar é difícil erradicar o hábito, a não ser que os clubes internamente também o comecem a fazer. O exagero de André André, deu para perceber, pretendeu soltar a raiva que a condição de suplente lhe causou. Ora o sucesso desportivo do ano passado, a extraordinária união do grupo, dependeu de um fator importante que convém não se perder: a humildade.


Foto_VSC