terça-feira, 31 de março de 2009

Imagens da Gazzetta

Menino Ferrari

Angelina Jensen, mundial de Curling (AP)

Par Francês, Campeonato Mundial de LA (AP)

Fabio Capello (Reuters)



segunda-feira, 30 de março de 2009

Ladrões de Bicicletas



Um dos mais belos filmes da história do Cinema, do realizador Vittorio De Sica. Um filme de 1948.
Neste clip através de uma crítica do New York Times.

Grand Eastwood



Gran Torino de Eastwood é mais uma grande obra para juntar à extraordinária carreira que este actor/realizador já construiu.
Eastwood é o meu John Ford contemporâneo. Aquele de quem se espera a terra (e não o céu) e a vida que nela se desenrola com homens de honra com um passado que os moldou de forma pesada e definitiva.
Este homem conseguiu realizar um conjunto de grandes filmes numa carreira que ele começou tarde: Bird, Caçador Branco, Coração Negro, As pontes de Madison County, Os Jardins do Bem e do Mal, Mundo Perfeito, Mistic River ou este Gran Torino, são exemplos inesquecíveis de Cinema, a que inevitavelmente se retorna.

sábado, 28 de março de 2009

O Homem Abraço

Foto: AFP


Há poucos dias, em Bangkock, um bombeiro vestiu-se de homem-aranha e conseguiu salvar uma criança autista que corria o perigo de cair de um terceiro andar e que, apesar de todos os esforços, permanecia insensível às sucessivas chamadas que lhe faziam para ele retornar a lugar seguro.
Quando o viu, a criança atirou-se-lhe nos braços abandonando o seu profundo isolamento e livrando-se do perigo a que se submetera.
Peter Parker viveu, mais do que nunca, no coração quente daquele bombeiro.

Lula Moreno da Silva



De forma absolutamente surpreendente o Presidente do Brasil identificou os responsáveis pela crise económica mundial: os brancos de olhos azuis, nem mais.
Respiro de alívio pela cor dos meus olhos e penso, sem me maçar demasiadamente a fazê-lo, o que se passará debaixo dos cabelos grisalhos de Lula.

terça-feira, 24 de março de 2009

Que reste-t-il de nos amours



Uma belíssima música escrita em 1942. Aqui por Stacey Kent.



Mais circo


Especialistas de energia denunciam "embuste" na visita de Sócrates e Pinho à Energie
24.03.2009, Lurdes Ferreira

Tecnologia que líder do Governo apadrinhou
é vendida como energia solar e vai receber ajudas como tal. Especialistas explicam que é mentira

A visita de José Sócrates e de Manuel Pinho às instalações da Energie para assinalar a segunda fase de expansão da fábrica que produz o que designa por "painéis solares termodinâmicos" está a desencadear uma série de protestos por parte dos principais responsáveis pela investigação e indústria solar no país.
"É uma empresa que assenta a sua propaganda num embuste", denuncia Eduardo Oliveira Fernandes, ex-secretário de Estado da Energia e académico que desenhou a política energética do actual Governo, no que é acompanhado por Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa Portugal e presidente da Sociedade Portuguesa de Energia Solar (SPES), e por Manuel Collares Pereira, considerado um dos principais especialistas em energia solar no país, ex-investigador do INETI e responsável pela empresa fabricante de painéis solares térmicos Ao Sol. Os três especialistas clamam que o produto da Energie, fabricado na Póvoa de Varzim, é "publicidade enganosa" - mostram tratar-se de uma bomba de calor accionada a electricidade com apoio secundário em energia solar e não de um painel solar térmico - e atribuem o incentivo político do primeiro-ministro e do ministro da Economia, com a visita efectuada, a uma possível ausência de apoio técnico adequado pelos respectivos gabinetes.

Também a associação ambientalista Geota se associa às críticas. "A pretexto de vender energia solar, [a Energie] vende mais electricidade", diz Manuel Ferreira dos Santos, um dos responsáveis da organização, que equipara o funcionamento do sistema da Energie a um "frigorífico ao contrário" que continua a ser alimentado por energia eléctrica, não solar, restando o que diz ser uma "acção de marketing bem conseguida".
in Público (24 de Março 2009)
Foto: www.construible.es

segunda-feira, 23 de março de 2009

Into the wild




Lado Selvagem é um filme belo. Um filme sobre a intensa e obsessiva procura da liberdade absoluta e da natureza plena, que Sean Penn bem tão bem adaptou (da obra de Jon Krakauer) e realizou.
A não perder, mesmo fora de uma sala de cinema.

domingo, 22 de março de 2009

Pedro Silva ou a palhaçada


Fui dando uma vista de olhos, num jantar em casa amiga, na segunda parte, penalidades e entrega do troféu, ao Benfica-Sporting de ontem. Se estivesse em minha casa a ver futebol, certamente que nem no zapping o veria; não trocaria por nada o Roma-Juve, que penso ter sido extraordinário.
O jogo que vi foi péssimo, até os penaltis o foram. Mas muito pior que isso fui a atitude do ser vivo (cuja foto acima se reproduz) no final do encontro. De boné a cumprimentar as entidades, recusando de forma absolutamente mal-educada o gesto do Dr. Pires de Lima que lhe colocava uma medalha ao pescoço e, como se já não bastasse, atirando, logo de seguida, a medalha fora.
Já não espero destas coisas que usam boné, brincos e penteados esquisitos atitudes de homem. Mas espero pelo menos deles uma atitude de humildade de um rapaz que sabe que o mundo é mais que ele próprio.
Adivinho que este caso não mereça a censura que mereceria se o jogador se chamasse Joaquim e alinhasse no Repesenses. Não aceito, mas compreendo. Agora o que estou para ver é se as inteligências que iluminam o futebol português lhe vão dedicar tanta atenção como dedicaram ao suposto (na cabeça deles) fora-de-jogo de Roberto (que muita azia provocou), e se há realmente um castigo exemplar. Duvido. Mourinho, na última jornada da Liga italiana foi expulso, e bem expulso, por muito menos do que aquilo que vi ontem o Paulo Bento fazer, perante um árbitro sereno e uma federação que lhe aplicou uma pesada multa. Se Mourinho treinasse novamente em Portugal só apanharia castigo semelhantante se esventrasse um auxiliar do árbitro em pleno jogo. Não esfaquear (isso seria mais leve), esventrar mesmo.

sábado, 21 de março de 2009

Chantal Biya

Foto: Reuters
A visita do papa Bento XVI ao continente africano, para além das polémicas que levantou, e do natural e sério interesse que a enquadrou, deu a conhecer ao mundo a extraordinária e única Chantal Biya, mulher do presidente dos Camarões.


Uma cabeça e uma cabeleira que ficamos, felizmente, a conhecer.

João Pedroso: The Xerox Machine


"Meia centena de pastas cheias de fotocópias do Diário da República e de índices dos diplomas fotocopiados é praticamente tudo a que se resume o trabalho pelo qual o Ministério da Educação (ME) pagou cerca de 290 mil euros ao advogado João Pedroso (mais cerca de 20 mil a dois colegas). Os caixotes de papelão que guardam as pastas encontram-se no chão de de uma sala poeirenta, vazia e fechada à chave, do 5º andar do ministério, encostados a uma parede, sem qualquer préstimo."

Público: foto e notícia (15.03.09)



Depois da sex machine de Brown Porugal entra, defiinitivamente, na alta roda da produtividade: a milagrosa fotocopiadora de Pedroso. Para os Jerónimos já!



Ceremony



New Order em Nova Iorque, a 19 de Novembro de 1981, no Ukaranian National Home.
Já passou assim tanto tempo?...

sexta-feira, 20 de março de 2009

Ensinar o Padre Nosso ao vigário


Crónica do MEC no Público de hoje:

Se o leitor, tal como eu, é português, vive em Portugal, gosta de peixe mas nunca o comeu feito como deve ser, pode suspirar de alívio. Foi Ana Espada, no PÚBLICO de ontem, que nos trouxe a notícia por que esperávamos: Chefes internacionais em Lisboa para demonstrar como se cozinha bom peixe.
"Mas não nos sairá muito caro?", perguntarão logo os forretas, pestanejando diante do elenco de mestres convidados: dois espanhóis, uma brasileira e um americano. Até apetece ir no balanço e seguir para a anedota: "... entram num bar e vêem um papagaio ao balcão que lhes pergunta se gostam mais de filetes com arroz de tomate ou de berbigão...".
Não sai caro, coisa nenhuma - todo o festival gastronómico faz-se por 85 mil euros, que é pouco mais do que 10 mil doses de sardinhas assadas, com jarrinho de vinho, pão e azeitonas e café. Ou 100 refeições nos restaurantes dos chefes convidados, conforme preferirem. Whatever!... é a Câmara de Lisboa, sempre à procura de escoar os excessos de capital de que sofre, que vai pagar a conta.
Claro que as D. Emílias, Anas e Conceições que assassinam o nosso peixinho por esse país fora não vão poder assistir às demonstrações. Mas a esperança é que os ensinamentos lhes sejam transmitidos, com celeridade, paciência e rigor, pelos jornalistas, funcionários públicos e penduras que têm de lá estar por razões profissionais.
Será que é desta que vamos poder comer o tal "bom peixinho" de que se fala tanto na imprensa estrangeira? Vamos todos torcer e sonhar que sim, malta!

Não são afinal 85.ooo€, mas 850.000€!

quinta-feira, 19 de março de 2009

A rainha Rania


Foto: IOL Diário

No início desta semana a magnífica Rainha Rania da Jordânia esteve na nossa Assembleia da República onde recebeu uma distinção do Conselho da Europa.
Dizer bem da figura e da presença desta Rainha é certamente escusado.
O Inimigo Público consegue, no entanto, acrescentar qualquer coisa, brincando com a possibilidade de Rania assumir a presidência do PSD.
Alguns excertos:

"Paulo Rangel disse ao IP que, quando sua majestade falou aos deputados na segunda, todos ouviram. Se sua majestade tivesse proposto a subida do IVA para 83% tinha sido aprovado por unanimidade e aclamação. Não se ouvia uma mosca. O José Eduardo Martins nem sequer mandou ninguém para o c*** nesse dia. Só vantagens."

"Já Vasco Pulido Valente trocaria o seu comentário depreciativo habitual sobre o PSD, eeeeeh-aaaaaah...é ....Eeeeeeehh... Fraquinho, por Eeeeeh...Eh lá!"



Randy The Ram

Tinha visto de Darren Aronofsky, um realizador de Brooklyn com uma curta obra cinematográfica, o filme A vida não é um sonho (Requiem for a dream, um filme duríssimo).

Vi agora o The Wrestler. O filme é naturalmente um Mickey Rourke living like sheet, que mexe connosco, que nos faz recordar a sua pujança nos anos 80 e a sua posterior queda. Escolher um actor mais talhado para o papel era impossível. Rourke é/foi efectivamente The Wrestler.

Este filme trouxe Aronofsky, justamente, para a ribalta. Destacam-se o Leão de Ouro e as nomeações para os Óscares de Rourke e Marisa Tomei (sempre bem). As cenas “pai-filha”com Evan Rachel Woods comoveram-me. Três cenas apenas que lembram de como o Cinema é feito.


Pizzaria literária


Na actual fase da minha vida que me obriga a ler, por questões profissionais, umas longas horas diárias, chegar à noite e ler novamente não é nada de particularmente excitante. Nem pela inércia de um hábito.

Para além do vício dos jornais (só já não suporto, há muito, as revistas de fim-de-semana!), ou de uma qualquer publicação “com figuras”, a imagem de um livro afigura-se-me tão pouco prazenteira como uma pizza para um funcionário de uma pizzaria, quando este chega a casa, à noite.

Peguei, no entanto, no sucesso literário de Paolo Giordano (A solidão dos números primos), contrariando o meu espectável snobismo. O facto de ele ser um físico amenizou, certamente, a inevitabilidade das minhas atitudes perante um livro que se lê, sem dificuldade, numa tarde de Agosto e que me tem rendido alguns minutos diários ao longo de vários dias.

Estou agora a meio da ponte. Não no meio da ponte entre o gostar ou o detestar (o livro não mexe tanto comigo assim), mas no meio do livro mesmo. Todas as noites os extraordinários olhos da capa miram-me com a graça de outros olhos que nas feiras de outros tempos me diziam, então amigo, vai um tirinho?

E ficava eu então entregue à minha sufocante pontaria.

terça-feira, 17 de março de 2009

Ciao amico



Jean Todt abandonou definitivamante a Ferrari (ver notícia).
Todt foi responsável por um dos melhores períodos do cavallino rampante. No seu consulado a marca italiana ganhou 98 grandes prémios que se traduziram em 6 vitórias de pilotos (5 de Schumacher!) e 7 de construtores.
Uma grande história pessoal numa das histórias mais fantásticas do automobilismo.

Alegria incontrolável

Burst of joy de Slava Veder (17 de Março de 1973).
Esta fotografia, sobre a chegada aos EUA (neste caso Califórnia) dos últimos prisioneiros da guerra do Vietnam, valeu ao fotógrafo o Pulitzer.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Smile

A encantadora e talentosa Madeleine Peyroux:




Música de Charles Chaplin, do seu generoso génio criativo para o filme Tempos Modernos (1936).


domingo, 15 de março de 2009

sexta-feira, 13 de março de 2009

Os inúteis



Espantosa foto esta:

O embarque do Corpo Expedicionário Português para a Flandres, Cais de Santa Apolónia, 1917.


Marcaham os nossos homens para a trágica (e inútil) participação portuguesa na I Grande Guerra.

A queda de um anjo


"O investidor Bernard Madoff, responsável por um esquema de fraude em pirâmide que atinge os 50 mil milhões de dólares (cerca de 39 mil milhões de euros), foi hoje detido à ordem do tribunal de Nova Iorque onde o seu caso está a ser apreciado. O julgamento de Madoff, que arrisca uma pena total de 150 anos, foi marcado para 16 de Junho.

Perante o juiz que lidera o processo, Madoff reconheceu que, ao contrário do que prometia aos seus clientes, nunca investira o dinheiro que lhe confiaram em produtos financeiros. E acrescentou que se sentia “profundamente desolado e envergonhado” por reconhecer que o que tinha feito era crime. Mas estas palavras não comoveram as vítimas do esquema Madoff que se encontrava no tribunal novaiorquino para testemunhar.(...)"

quinta-feira, 12 de março de 2009

O fiscal de Deus

Foto: Corbis (Guardian)

Comemoram-se este ano 200 anos sobre o nascimento de Charles Darwin.
Este naturalista inglês foi um dos homens de Ciência que mudaram a visão do mundo - neste caso da Criação do Mundo - e que se revelaram decisivos para o conhecimento da Terra e das nossas origens. Tão fortes e importantes foram as suas teorias sobre a evolução das espécias e a selecção natural que, ainda agora, o Vaticano se reúne para dizer que o catolicismo é compatível com o evolucionismo. Na América há, como se sabe, fortes correntes que hoje o negam. Enfim, um homem cujas teorias ainda hoje se estudam e a partir das quais nos passamos a conhecer melhor.

Porca miseria



As minhas equipas italianas foram todas à vida. A grande Juve roubada contra o Chelsea. A Roma aniquilada pela sorte. E o Inter, apesar de brava resistência, vulgarizado pelo Manchester.
Nem vi o Porto, nem Sporting, que interessam?
Acontece isto!...
Fica mais pobre o futebol.

Consumidores "consumidos"

Foto: jazzpic in Flickr


O governo, tendo em vista o Dia Mundial do Consumidor, aprovou ontem importantes diplomas na área do consumo. Por um lado regula-se, em defesa do consumidor, a possibilidade de transferências de PPR e PPR/E entre instituições bancárias, sem as penalizações que vinhamos conhecendo, por outro actua-se ao nível da informação nos empréstimos bancários co-responsabilizando os bancos nos contratos e estabelecendo alguns tectos importantes. Ao nível dos irritantes call-centers limitam-se ainda tempos e horários das chamadas.
Excelentes medidas, portanto.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Oh, Manel


O deputado do PS Manuel Alegre sublinhou que o Presidente angolano "fez a paz" e "abriu caminho para a democracia" em Angola. Alegre disse não partilhar das críticas feitas pelo BE e afirmou: "D. Afonso Henriques também não era um democrata exemplar."
Manuel Alegre citado pelo Público (11.03.09)

Gosto muito do Manuel Alegre, mas há dias em que estar calado não era nada mau.
Como foi o caso. Eu compreeendo o pragmatismo com que o Estado português encara a visita de José Eduardo dos Santos. E apoio. Agora comparar, com autoridade, as falhas do Presidente angolano ao ambiente político da Idade Média seria desonesto intelectualmente, não se tratasse de Alegre a dizê-lo.
Perdoo-lhe esta infelicidade. Sócrates dirá mais tarde, ó Manel mas eu até sou mais tolerante e menos arrogante que o Marquês do Pombal ....


To be or not to be


Shakespeare é, sem dúvida, um dos maiores vultos da cultura ocidental. Dele conhece-se, no entanto, muito pouco.
Surgiu agora a notícia sobre a existência de uma pintura de Shakespeare, de 1610. Nessa altura o artista teria 46 anos (seis anos antes da sua morte).
Tal "descoberta"(pertencente a uma família que protegeu o artista na sua época, a família Cobbe) levará a uma exposição em Londres: a Shakespeare Found.


terça-feira, 10 de março de 2009

Inércia


Prova de 60m feminina no recente Campeonato da Europa de Pista Coberta em Turim. Há gente que quando arranca, tem muita dificuldade em parar...

segunda-feira, 9 de março de 2009

Europeu desde pequenino...


Todas as semanas na Antena 1 Maria Flor Pedroso entrevista figuras nacionais, com regular predominância para a política. Esta semana entrevistou Vital Moreira, apesar de (pelo menos hoje) estar escrito na página electrónica o nome de outro entrevistado (Pinto Monteiro).
Este programa de entrevistas dá ao convidado, no início do programa, a possibilidade de escolha de uma música e explora a justificação da escolha por parte do entrevistado.
Vital Moreira escolheu Mahler (a 5ª sinfonia) e à pergunta sobre porque é que escolheu aquela peça, Vital Moreira disse que, em primeiro lugar, é por se sentir um europeu, por aquela ser uma obra de um europeu (Mahler, Áustria) que "ilustrou" a Morte em Veneza de Visconti (aqui gaguejou um pouco ao falar dos filmes do realizador italiano...) sobre uma obra de Thomas Mann (outro europeu, vejam lá!).
Sem correr o risco de "inventar" obras, penso que neste caso há bagagem intelectual para não o fazer, Vital Moreira é aqui profundamente pegajoso, a roçar mesmo a hipocrisia. Blaaaaaaaaaaaargh!...
A não ser que o Congresso do PS transforme as pessoas numa dança de milagres e se ouça gritar "milagre, eu ando", "milagre, eu vejo", ou "milagre, eu sou europeu desde pequenino". E a malta aplaude. Europeu desde pequenino, que precoce, meu Deus, que inteligência rara.


sexta-feira, 6 de março de 2009

Doping no trabalho!

Foto: Darren Hester (L'Expansion)


Um estudo feito pela companhia de seguros alemã DAK indica que na Alemanha se dopam 800.000 alemães para melhorarem as suas performances no trabalho.

A notícia é dada pelo L'Expansion e foi objecto de uma crónica recente de Fernando Alves na TSF.

É triste mais este sinal dos tempos.

Publicidade