quinta-feira, 23 de outubro de 2008

O peso do humor

O fantástico Saturday Night Live que já não vemos nos canais de cabo (também quando o víamos era com atraso de anos)e o fenómeno Sarah Palin.

Uma pérola.

Intolerância 2

IO SONO SAVIANO!



Intolerável esta falta de liberdade imposta pela máfia a um estado democrático.

O livro de Saviano inspirou o filme "Gomorra" de Matteo Garrone, que ainda não vi, mas sobre o qual tenho boas expectativas.

Intolerância 1

Sucedem-se os atentados aos voluntários das ONG's em países em guerra. Deixou de haver qualquer noção de ética dos valores que se defendem nestes conflitos. No início da semana mais uma cidadã foi morta, a britânica Gayle Williams, aparentemente, pelo facto de os taliban entenderem que ela evangelizava mulçumanos afegãos. Mais uma lamentável notícia.

Intolerável.

sábado, 18 de outubro de 2008

Escândalo

Na passada terça-feira, no Stade de France, no particular França-Tunísia a Marselha foi assobiada durante todo o tempo em que foi cantada antes do início do jogo.
Com o estádio cheio e no meio de uma encenação própria do "politicamente correcto" deu-se o escândalo inesperado. Milhares de magrebinos não esconderam o seu ódio à França e aos franceses e asobiaram com quantas forças tinham o hino do país em que vivem hoje.





Verdadeiramente arrepiante!
Os franceses, como de costume, e ao contrário do que sucederia por exemplo em Inglaterra, não tiveram coragem para fazer o que era imperioso fazer: abandonar o estádio.

Oportunidade perdida

Os analistas das eleições americanas louvaram a participação de McCain no último debate com Obama. Foi incisivo, bravo e claro, características que lhe conhecíamos e que foram afundadas pelo "furacão Palin".

Mas não chegou e possivelmente não chegará para que o senador do Arizona se tornar o 44º presidente dos EUA.



Fotografias como a de cima ou a do debate (em baixo) não ajudam...









quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Segundo Round

John McCain e Barack Obama enfrentaram-se, esta terça-feira à noite, para mais um debate eleitoral, o segundo, que foi dominado pela crise financeira mundial.
O debate, que decorreu em Nashville, no Estado do Tennesse, foi organizado no modelo town hall meeting (traduzido para a realidade portuguesa, aproxima-se da reunião da assembleia municipal), em que os dois candidatos respondiam a perguntas colocadas por eleitores presentes em estúdio ou enviadas por e-mail.
Obama defendeu uma descida de impostos para a classe média. «Alguém em Washington deve trabalhar pela classe média e não apenas para os lobies», disse.
Apesar disso, McCain acusou Obama de querer subir os impostos e revelou que, se for eleito, vai pedir ao secretário do Tesouro que compre os créditos mal-parados, «para que as pessoas possam renegociar as suas dívidas».
A dependência energética dos Estados Unidos foi outro dos assuntos discutidos. Obama classificou a questão como «um dos grandes desafios do nosso tempo». John McCain defendeu a exploração de recursos petrolíferos na Costa dos Estados Unidos, assim como o desenvolvimento da exploração da energia nuclear.
As sondagens realizadas logo após o debate dão uma vitória a Barack Obama. Um questionário realizado pela CNN dá a vitória ao candidato democrata com 54%.


Texto: TVI on line
Foto: The New York Times (Stephen Crowley)

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

D.João I e Guimarães


Foi recentemente publicado o livro “D.João I e Guimarães” de Rosa Maria Saavedra com ilustrações de Vasco Carneiro.
O livro é extraordinário. O livro encanta esteticamente pela qualidade dos desenhos do Vasco, e abre duma forma elegante e simples, mas sempre rigorosa, a nossa história aos tempos do Rei de Boa Memória, à consolidação da Segunda Dinastia.
Tornar a História de Portugal, em que Guimarães desempenha um papel central, acessível aos mais jovens, em particular, e a toda a gente, tem sido um importante serviço que um vasto conjunto de escritores tem prestado de forma continuada, e com sucesso editorial, ao longo dos últimos anos, abrindo espaço para que conheçamos a nossa História. Este livro cumpre, exemplarmente, esse propósito e faz-nos alguma luz sobre episódios importantes até agora fechados ao academismo redondo que aborrece simples apreciadores como eu.
Conhecer a nossa História libertar-nos-á, talvez, da pequenez geográfica e da pobre vivência cultural que tem marcado o nosso país, de forma pesada, ao longo dos últimos séculos.

sábado, 4 de outubro de 2008

A Sarah empalidece



Apesar da senadora Sarah Palin, ao que diz a comunicação social mais atenta às eleições americanas, se ter aguentado no debate com Joe Biden, algumas das suas entrevistas têm sido tremendas para a sua imagem. Como por exemplo esta inacreditável entrevista à CBS.





Provincianismo Capital



As constantes revelações de como tem sido gerido o património imobiliário municipal da Câmara de Lisboa põem-me, literalmente, os cabelos em pé a cada dia que passa. Artistas, vereadores, pseudo-artistas, jornalistas de pose, jornalistas de nome, outros jornalistas impolutos que se vendiam como modelo de virtudes (pelo menos até aqui!), o pessoal do partido, dos partidos, surgem aos nossos olhos, dia-a-dia de uma forma muito pouco digna. Aquilo que um bom nortenho designaria por "chupistas".

No entanto é Lisboa.

Tudo se embrulha, pois tudo se existe para ser embrulhado.

Fora todo este escândalo a norte e veríamos as várias TV's a ridicularizar os presidentes da Câmara, os vereadores, os artistas locais de dimensão microscópica.

Adoro Lisboa. É uma cidade lindíssima, sem par. Mas o centralismo degradou-a enquanto amesquinhou o resto.