quinta-feira, 30 de abril de 2009

O grito do Ipiranga?...

Foto: scream_f1sh2006_flickr

Ontem, o Conselho Regional da CCDRN, reclamou por unanimidade a instituição das regiões administrativas.
Nele estão representadas todas as Câmaras da Região Norte. Foi um passo importante e penso que sério e sentido de que resultou a seguinte Declaração.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Há gente assim

Não posso dizer que seja brilhante o último álbum de Morrisey. É apenas muito bom.
Mas faça o que ele fizer, acompanhá-lo-ei sempre. Defendê-lo-ei quando ele tiver atitudes lamentáveis como as do concerto de Paredes de Coura em 2006.
Tenho por ele o respeito que se tem por quem nos matou a sede num deserto, ou nos ajudou a mudar o pneu quando estávamos sós. Um amigo que se considera por aquilo que fez.
E os Smiths e a voz de Morrisey estiveram muito para lá dessas coisas concretas e importantes.


Uma boa ideia



Lutar contra o desperdício é um imperativo social e ambiental. O Banco de Equipamentos faz isso. Recebe equipamentos eléctricos e electrónicos e dá-os a quem deles necessite ou, quando não é possível a reutilização, vende-os para reciclagem.
Uma excelente ideia, digna dos mais altos elogios.

A 26 de Junho de 2003, na CMG, e com propósitos não tão vastos mas semelhantes à anterior ideia, apresentei na CMG a proposta de criar uma Agenda Anual Informativa de Reparações.

Não teve sucesso.

Gazzetta de Abril

Caroline Wozniacki (Ténis). Ap.
Jack com os Lakers. Ap.
Boxe (Ucrânia). Ap.
Alena Lenova (Tóquio). Ansa.


Fotos in Gazzeta dello sport

terça-feira, 28 de abril de 2009

Amália...

...Hoje?

NBA



Foto de Gary Dineen : Tyrus Thomas (Chicago) - Glen Davis (Boston Celtics) : 2-2

Já aí estão os play-off's da NBA, com os LA Lakers e os Cleveland já apurados.
Outros encontros:
Denver 3-New Orleans 1
Houston 3- Portland 1
Philadelfia 2- Orlando 2
Miami 2- Atlanta 2
Dallas 3- San Antonio Spurs 1

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Imersão


Visitei o fim de semana Espinho, mais propriamente o centro multimeios, por lá se ralizar uma mostra de cinema imersivo. Pode mesmo falar-se em festival. Cinema projectado para o interior de uma meia esfera, deitado numa cadeira, foi uma experiência relativamente nova. É bom que existam coisas diferentes...

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Ligeireza


Quando há uns dias se noticiava (de forma ligeira, diga-se) sobre as custas que as famílias das vítimas de entre-os-Rios teriam de suportar, fiquei indignado. Primeiro pelos cerca de 500.000 €, depois pelos corrigidos cerca de 50.000€. Mesmo assim.
Voz amiga explicou-me que este processo nada tinha a ver com as indeminizações devidas pelo Estado às famílias, pois essas já foram determinadas e pagas, mas a um processo que as famílias decidiram intentar contra técnicos, o que, na sua opinião, seria um processo cível de improvável decisão a favor dos queixosos. Não sabemos se por legítima convicção, ou por necessidade, ou pelo arrastamento inercial ao som da cantiga de advogados menos escrupulosos, o caso chegou agora ao fim.
Não tivera eu voz amiga e ficaria na indignação mole da ignorância.
Hoje saiu a notícia que o Conselho de Ministros decidiu pagar o montante. Ou seja, todos nós pagamos. Poderemos, numa qualquer voragem judicial, exigir o mesmo tratamento?

A encenação

Foto: AP
Há poucos dias atrás o líder iraniano Ahmadinejad incendiou a conferência de Genebra sobre Racismo, sob o patrocínio da ONU. A história da anterior conferência, em Durban, o posicionamento de alguns países mais extremistas mostraram, a quem quis ver, o que estava preprado: massacrar Israel como o culpado de todo o racismo. Os EUA, ou alguns países europeus como a Alemanha, a Itália ou a Holanda, não se prestaram ao papel de figurantes. O Estado português, como se sabe, prestou-se.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

A "peça"


O público noticia hoje:

"A Jonathan Vale é como João Vale e Azevedo se apresentava junto de possíveis investidores ingleses na sua empresa, que ontem foi considerada falida por um tribunal britânico, contou à agência noticiosa Lusa uma dessas pessoas.
Abigail Wright considera-se vítima de burla por ter acreditado em Vale e Azevedo e investido 50 mil libras (cerca de 56 mil euros) na V&A Capital Limited. Segundo esta designer de interiores, Jonathan Vale, como o ex-presidente do Benfica se intitulava, prometeu 50 por cento de retorno garantido ao fim de 120 dias. Na melhor das hipóteses, o ganho podia ir até aos 117 por cento, contou ontem à agência Lusa, mostrando o contrato que assinou em Fevereiro de 2008.
"Ele disse-me que esta era uma oportunidade que só aparece uma vez em cinco anos", relata. (...)"


E este homem que, ao que li, processou o senhorio inglês por infiltrações numa casa da qual não pagava a renda, continua a espalhar o seu "charme".
Confesso, envergonhadamente, um certo fascínio pela "peça" que continua, no estrangeiro, a trabalhar em prol do PIB português ou, na pior das hipóteses, em prol da diminuição do PIB dos outros.
Há que pensar numa medalha....

Roxana

Foto: AP Photo NPPA
Foto: Behrouz Mehri
O infeliz costume.

Lamber feridas

Foto: AP Photo / Brennan Linsey
Obama não tem estado bem nos processos de investigação aos casos de tortura. Está a dar-lhes demasiada importância e a enredar-se perigosamente no caso. Ora promete não actuar judicialmente, ora diz o seu contrário contradizendo altos responsáveis da sua própria administração.
Louvo-lhe a "candura", mas essa não é realmente a coisa mais importante para os EUA e para o mundo.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Transparência

Chegou-me por mão amiga o seguinte discurso de JFK ...



Legendagem em português aqui.

Um discurso feito a 27 de Abril de 1961, no Waldorf-Astoria Hotel, New York, NY (completo aqui), numa iniciativa da American Newspaper Publishers Association.

Notável!

Juliette Binoche

Vi ontem, por acaso, o filme Dan in Real Life com Steve Carell e Juliette Binoche. O filme é uma comédia interessante, mas o que verdadeiramente me surpreendeu foi encontrar uma Juliette Binoche linda como sempre. O tempo torna-a (ainda) mais bela.
Foi um prazer revê-la. Já não o fazia há algum tempo...

Propaganda, cidadania e património


Já há pelo menos duas eleições autárquicas que existe em Guimarães um acordo de cavalheiros entre os principais partidos políticos para que não haja, na zona nobre da cidade, colocação de propaganda política. Tal acordo tem sido respeitado sem grandes problemas, com um ou outro episódio .... mas sem grande relevância no contexto geral.
O que se passou em Lisboa, a propósito dos cartazes políticos no Marquês, vai no mesmo sentido daquilo que há cerca de uma década por cá se faz. Parece-me que os partidos políticos começam (também por lá) a estarem receptivos à ideia de limitar a propaganda a algumas zonas e isso é um bom sinal.

O TGV no país do bota-abaixo


Por Miguel Gaspar. Hoje no Público.

A entrevista de José Sócrates, ontem, à RTP1, foi a enésima reiteração de um mal que há anos corrói a democracia portuguesa, com a cumplicidade, sublinhe--se, dos jornalistas. E esse mal é a ideia de que o anúncio de uma nova medida substitui um discurso político consistente. Depois de terminada a entrevista, os holofotes focaram-se na "novidade", a mudança no subsídio social do desemprego (é assim que se diz?), que afectará 15 mil pessoas. Desculpem-me que vos diga, mas enfrentamos uma recessão da qual não sabemos como vamos sair, está a começar a campanha para as europeias (mas de Durão Barroso nem se falou), a "cooperação" entre Belém e São Bento, "estratégica" ou "institucional" (não são a mesma coisa), está pelas ruas da amargura, existe o caso Freeport, com todas as suas implicações políticas (sobre as outras espero, com paciência, como toda a gente, que a justiça me informe). E tudo o que ganhámos foi um subsídio social de desemprego.
Numa entrevista onde José Sócrates não teve qualquer obstáculo para dizer o que queria dizer, passámos o tempo a discutir minudências sobre quilómetros de auto-estrada, planos estratégicos contra a crise que já toda a gente conhece e, para não faltar nada, lá se falou outra vez no radioso TGV. E o país do bota-abaixo que se cale!
Mas o país que está a acontecer não passou certamente por ali e entender que a "sensação" de uma nova medida esconde isso deixa no ar uma estranha sensação de incomodidade.
(...)
Vivemos tempos políticos difíceis em que as exigências políticas mudaram. As crises não se enfrentam com os sorrisos de circunstância de um líder mais interessado em elogiar-se e em dizer que não tem culpa da crise. Sócrates não compreendeu que os tempos mudaram e que o seu discurso está desfocado da realidade.

O trio


Bill Evans foi um fantástico pianista e nos anos sessenta, com o baixista Scott LaFaro e o baterista Paul Motion liderou um dos mais perfeitos trios de jazz (para mim: o melhor). Dessa época é o extraordinário Sunday at the Village Vanguard de 1961, gravado num dos mais embemáticos clubes de Nova Iorque. LaFaro morreria dez dias mais tarde. Aqui, a história da gravação pelo produtor Orrin Keepnews...


terça-feira, 21 de abril de 2009

Incompetência


Notícia de hoje no Público:

A proposta sobre sigilo bancário apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE) e viabilizada na generalidade pelo Partido Socialista (PS) na semana passada no Parlamento, tal como está, vai levar a que apenas os contribuintes individuais tenham as suas contas bancárias sob escrutínio do fisco. As empresas, pelo contrário, ficarão com um regime que as protege mais do que a lei actual, não podendo a Direcção-
-Geral dos Impostos (DGCI) aceder às suas contas sem a autorização de um tribunal.
Esta é a opinião de quatro fiscalistas contactados pelo PÚBLICO, que apelidam a proposta de "grande trapalhada", "enorme falta de rigor", ao mesmo tempo que dizem que "custa a acreditar que tenha sido assim aprovada" e que "demonstra bem o risco de alterações legislativas precipitadas com intuitos populistas e/ou eleitoralistas". O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) também faz a mesma interpretação e apela a que a lei não seja aprovada nestes termos, "já que colocaria em risco várias acções inspectivas em curso".


Ora aí está algo de profundamente patético e deprimente que contou com a colaboração acrítica do PS.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Não sabiam?...

Foto: nazi mit tatoo_antinazi_koordination in Flickr
Uma notícia veiculada pela TSF refere que:

"(...)O Serviço de Informações de Segurança (SIS) diz que 2008 ficou marcado pelo nascimento de «vários» grupos de apoiantes à organização skinhead neonazi Portugal Hammerskins, a mesma que foi considerada «violenta» pela Polícia Judiciária e que teve mais de 20 condenados no final do ano passado por discriminação racial.

A análise do SIS que consta no Relatório Anual de Segurança Interna diz que a condenação destes skins em Outubro passado «consolidou e propiciou, no meio, a ideia de ´perseguição política` aos nacionalistas» que «capitalizaram esse sentimento, intensificando o esforço de propaganda e de recrutamento de novos membros»(...)"


O meu espanto não é a notícia em si, mas o espanto do Estado. Tudo aquilo que se tem feito politica e judicialmente, bem como na comunicação social, é errado e está fácil de se perceber porquê.
A Democracia é o regime que tem capacidade para acolher dentro de si aqueles que a pretende destruir. Essa é a sua marca, que nunca deve ser ultrapassada por mais que a postura dos extremos nos incomode.
Os dados da notícia são o infeliz resultado duma perseguição dirigida à extrema-direita portuguesa. Em vez de a termos reduzido à arqueológica insignificância das suas ideias, muito boa gente continua a preferir fazê-la vítima do regime, a troco de uns breves flashes no jornal da noite.

sábado, 18 de abril de 2009

Arquitectos descontentes com mosteiro de Santa Clara-a-Velha em Coimbra

PUBLICO.PT - Arquitectos descontentes com mosteiro de Santa Clara-a-Velha em Coimbra

Ainda e sempre o mesmo velho problema. Quem encomenda não sabe o que quer e só com a obra em execução é que começa a perceber aquilo que está a ser feito. Vai daí, começa, a seu bel-prazer, a introduzir alterações e ajustes sem dar conhecimento, na maior parte das vezes, ao autor do projecto, que por norma e para poupar uns trocos, não é chamado para acompanhar a obra enquanto ela passa do 2D e 3D virtual para o 3D real.

O resultado?

Depende do autor, de ser mais conformado e até aceitar os ajustes ou ser mais inconformado e levar com este género de processo para a frente, dando polémica a não indo à inauguração.

E o problema não será nunca resolvido com leis. Porque o problema, a sua génese, está na cultura, no civismo, na mania de poupar uns trocos de quem encomenda e quer apenas mostrar serviço que rende votos. E isso, por muito que queiram, não se muda com leis. Muda-se com um ensino diferente (que olhe para as artes de outra forma), com uma atitude geral de respeito pelos outros e de civismo que é ensinado de pequenino (o chamado "chá" que se toma em miudo) e que por vezes são necessárias várias gerações para se conseguir resultados...

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Para evitar poblemas


Fotos: Liga libanesa (?)
No Líbano é proibido, desde há 3 anos, assistir a jogos de futebol. Razão: o facto de cada clube pertencer a uma determinada facção política e/ou religiosa e os jogos acabarem, invariavelmente, à pancada ou, mais frequentemente, aos tiros.
Para grandes males grandes remédios, de qualquer forma deixo-vos a ligação para acompanharem o resistente campeonato libanês.

lowsense marketing


A campanha que a ryanair lançou, há uns meses, de perguntar aos seus passageiros quais os serviços que se devem taxar para enfrentar as actuais dificuldades, só pode ter sido um golpe de marketing. Sugestões como as de pagar para utilizar a máscara de oxigénio ou a saída de emergência entram já na saudável categoria do humor (negro). No entanto o inquérito produziu os seguintes resultados, até agora.
Vai à frente, destacado, o excesso de peso .... corporal. Eu estou, portanto, de cabeça perdida.
Talvez vote em taxar a roupa (ver imagem).

Populismo

Foto: AFP (The Independent)
Foi recentemente aprovada no Afeganistão uma lei que, na prática, legaliza a violação das mulheres pelos seus maridos, limitando-lhes ainda o direito de abandonar a casa. A lei foi aprovada no parlamento afegão e ratificada pelo presidente Karzai.
Dizem os entendidos que tal lei só foi aprovada porque os partidos políticos e Karzai querem seduzir o voto islamita. Oferecer frigoríficos, guarda-chuvas ou magalhães é, comparado com isto, alta política.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

As maiores eleições do planeta

Foto: AFP
Começa hoje a longa e complexa votação nos vários estados da Índia.
As eleições terminarão apenas dentro de um mês e nelas poderão votar cerca de 714 milhões de inidianos!
Foto: stripes and lader_maciel dakowicz in Flickr
Esta é a maior Democracia do mundo. Uma boa herança do colonialismo britânico...

quarta-feira, 15 de abril de 2009

A verdade

Nos últimos trinta e cinco anos apenas houve recessão em 3 anos: 1975 (-5,1%), 1984 (-1,0%) e 1993 (-1,1%).
O Banco de Portugal prevê para 2009 -3,5%.

Gráfico: Jornal Público.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Genial

Foto: UEFA
Acabei de ver o Chelsea-Liverpool cujo resultado final de 4-4 colocou o Chelsea nas meias-finais da Liga dos Campeões. O jogo foi absolutamente fabuloso já que até ao último golo de Lampard a possibilidade do Liverpool passar a eliminatória foi sempre possível.
O que me agrada neste futebol não é a qualidade técnica dos jogadores nos clubes ingleses (não faltam continentais!) mas sobretudo a capacidade em acreditar, em lutar, em prosseguir um sonho seja em que circunstâncias for. Não há (nunca) derrotados antecipados. Futebol assim ... chega a ser comovente.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Resgate no Índico



Foi ontem resgatado o comandante americano Richard Philips sequestrado por piratas ao largo da Somália. Ao que parece a maior parte dos piratas foram abatidos e o capitão americano não sofreu qualquer dano em tão arrisacada manobra.
Tudo corre bem a Obama! A "estrelinha" que o tem guiado é merecida e necessária.
No lado oposto da sorte está Gordon Brown. Foram conhecidos os "esforços" de Damian McBride - seu adjunto - em montar uma campanha contra Cameron. Quando se está na mó de baixo tudo atrapalha ...

Foto: Reuters

domingo, 12 de abril de 2009

Campeões...


O Vitória venceu ontem a sua primeira Taça de Portugal em voleibol. Num jogo que não foi particularmente bonito o Vitória soube encontrar a serenidade para bater a experiente equipa do Espinho.

Foto: site do VSC

sábado, 11 de abril de 2009

Guy Tillim em Serralves

Um olhar triste sobre África.
A exposição do fotógrafo sul-africano fica até 17 de Maio em Serralves e tem o nome de Avenida Patrice Lumumba.

Lubumbashi, Congo, 2007

Quelimane, Moçambique, 2008
Maputo, Moçambique, 2007
Antsiranana, Madagascar, 2007

Fotos Guy Tillim no site de Michael Stevenson

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Golfe

Ernie Els no Masters de Augusta.

Paula Creamer no torneio de Rancho Mirage.

Fotos: Afp in Gazzetta dello Sport

quinta-feira, 9 de abril de 2009

A tragédia de um homem ridículo

Foro: B. polizioto por il medo in Flickr

Extracto de uma notícia do Público de ontem sobre as consequências do sismo que atingiu fortemente a região de L'Aquila:

"(...) procurando cavalgar na grande popularidade do Presidente norte-americano, Barack Obama, o primeiro-ministro [Berlusconi] não hesitou ontem em aproveitar um telefonema de solidariedade que ele lhe fez e lhe pedir que assuma a reconstrução da basílica romano-gótica de Santa Maria de Collemaggio e de outras estruturas danificadas pelo terramoto.
Aquele templo foi fundado em 1287 por frei Pietro da Morrone, em 1294 eleito papa com o nome de Celestino V, mas que só se aguentaria cinco meses no trono, tendo sido o único chefe da Igreja Católica que até hoje renunciou (...)"

Que Berlusconi não tem nível para um país como Itália já muitos de nós o sabem. Agora um primeiro-ministro, de um país conhecido pelo seu extraordinário património, pela sua conservação, fazer uma coisa destas, pedinchar desta forma ... é ridículo. Não dignifica o Estado Italiano.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

O meu último dia do pai

Foto de Gelayred (Father and daughter bonding) in Flickr

Já há catorze anos que de forma regular participo no dia do pai. Responsabilidades próprias de quem tem filhos a conta-gotas e participa nas actividades que, de forma sempre cuidada e excepcional, os infantários levam a cabo neste dia. Este foi o último ano em que tenho filhos nestas idades. Uma idade em que para eles o pai (ou na mãe) são o centro de todo o universo plausível. O tempo chegará em que seremos adereços do implausível. Mas isso é outra conversa.

Confesso, com inevitável mágoa, que num ano ou noutro não estive à altura da festa. Questão de prioridades que hoje me parecem pequenas e estúpidas. Este ano fixei todos os momentos com a força de um abraço e deixei que o tempo fosse tempo fora de mim. Reuni como um jogador de poker todas a minhas fichas para a última jogada. Não com o intuito de ganhar o jogo, mas simplesmente com o propósito de o jogar.

Comoveu-me o olhar dos meninos à espera do pai. Isso sempre foi o que me desagradou francamente nestas festas. E aqueles pais que não podem vir? Como pode um miúdo, no íntimo, compreender e aceitar essa realidade? Não seria melhor fazer dum sábado o dia do pai?

Enfim, comovo-me com demasiada facilidade, é certo. Mas julgo isso como um bom sinal. Um sinal que o cinismo que, inevitavelmente, cresce com a idade não nos torna completamente graníticos e fúteis.

O amor pelos filhos é o mais incompreensível dos amores possíveis. Não é construído como todos os outros. Surge sem aviso e cobre-nos da fragilidade intensa das estrelas, que mesmo não existindo nos iluminam a noite.

Publicado in O Comércio de Guimarães

Uma história exemplar

Foto: Thomas Allen Publishers in CBC News

Uma extraordinária história de amor de um pai pelo seu filho vem-nos do Canadá pela pena e pela disponibilidade de David Gilmour, um escritor e crítico cinematográfico de Toronto.

Há alguns anos atrás perante o descontrolo emocional do seu filho Jesse, absolutamente desligado da Escola e com problemas de toxicodependência, David decide abandonar os seus esforços pessoais e profissionais (a sua editora acabara de lhe recusar a edição de um dos seus livros) e dedicar-se ao filho através de um contrato. David aceitou que o seu filho abandonasse a Escola que tanto o aborrecia e passou a dedicar-se a Jesse. A contrapartida era a de que o seu filho visse com ele três filmes por semana. Essa era a responsabilidade que Jesse aceitou e cumpriu.

Durante três anos o cumprimento do contrato foi uma preocupação dos dois, com a conivência e colaboração da ex-mulher do escritor. David tentando contagiar o filho com o seu entusiasmo cinéfilo e o filho construindo o seu próprio gosto e o seu particular interesse pelo cinema e pela vida. Numa altura em que os filhos enxotam os pais da sua vida e dos seus segredos, esta aproximação contra a corrente das coisas revelou a um e a outro a extrema e reconfortante necessidade de se terem e de se compreenderem.

Ao fim destes anos de intenso convívio e de um e o outro se terem conhecido e ajudado, tudo mudou para muito melhor. Jesse voltou a estudar com gosto e o pai viu publicado o livro que lhe haviam recusado (A perfect night to go to China) na altura difícil da sua vida em que, já com 50 anos, se dedicou inteiramente ao filho. Em vez de se afundar na depressão de um fracasso voltou-se para o filho e resgatou-o à indiferença e à falta de amor-próprio. O referido livro ganhou Governor General’s Award e a vivência dos anos que passou mergulhado nas preocupações do seu filho deu-lhe matéria para publicar, em finais do ano passado, o livro The Film Club, não publicado em Portugal e que se pode obter na Amazon.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Economia para Totós

Como é afinal simples compreender o bendito Mercado...


John Bird e John Fortune no Last Laugh: e isto foi gravado em Outubro do ano passado!...

Exotismo


O Governo do Malawi recusou (e bem, pareceu-me!) a adopção de uma criança local à cantora Madonna, pelo facto da lei só o permitir a estrangeiros que residam no país há mais de 18 meses.
Muitas das ONG's que trabalham nestes países com as crianças merecem-me algumas reservas, e são muitas vezes acusadas de incentivar o tráfico de crianças. Mas o que mais me irrita e preocupa é este ar absolutamente inqualificável das estrelas internacionais que parecem estar a adoptar bichos. Ora hoje queria um amarelo, amanhã um vermelho para dizer com os tapetes da sala, amanhã quiçá um pretinho que fica sempre bem nas fotografias.

A arrasar


A visita do Presidente Obama à Europa tem sido sucesso. Esta fotografia (Jim Young/Reuters) diz tudo e faz a capa do Público de hoje.

O hábito faz o monge


A propósito das alegadas pressões sobre os magistrados que têm o caso Freeport entre mãos, o Público deixou-nos ontem uma surpreendente, mas esclarecedora, lembrança:

"Em 1988, Costa deixou o cargo na administração de Macau no meio de suspeitas de pressões sobre o juiz José Manuel Celeiro no caso do escândalo da televisão de Macau, TDM. Em 2005, José António Barreiros, que, enquanto secretário de Estado Adjunto para os Assuntos da Justiça, tinha demitido Alberto Costa, quebrou um longo silêncio de 16 anos e acusou-o de "conduta imprópria"(...)"

Poder-se-ia dizer que é legítimo desconfiar de quem, há 20 anos, teve um comportamento destes. Eu diria mais: com um comportamento destes este Sr. nunca deveria ser Ministro de coisa nenhuma.

sábado, 4 de abril de 2009

Tullio Pinelli

Com Dino de Laurentis, G.Masina e Fellini (1957) Foto: LA Times


Tullio Pinelli (1908-2009).
Argumentista de muitos dos filmes de Fellini (I Vitelloni, Os Inúteis, 1953; La Strada, 1954; Il Bidone, Contos do Vigário, 1955; As Noites de Cabíria, 1957; La Dolce Vita, 1960; 8 1/2, 1963; Julieta dos Espíritos, 1965; [desentende-se com Fellini por causa da protagonista deste filme, Giulietta Masina]; Ginger e Fred, 1986; A Voz da Lua, 1990) e de outros cineastas italianos como Germi ou Mario Monicelli (o fantástico Oh, Amigos Meus, 1975)..........................................................................


Pinelli (ao centro) com Fellini (à esq)

Um homem (a) sério


O semanário Expresso revela hoje alguns excertos do livro de Cavaco Silva e que reunirá, ao que consegui perceber, as intervenções políticas feitas neste mandato pelo Presidente da República (PR). O PR da República arrasa os promotores da promulgação do Estatuto dos Açores, e com razão. Mais uma vez as questões politiqueiras sobrepuseram-se às questões de Estado e tornou-se mais difícil dissolver a Assembleia Legislativa Regional do que a Assembleia da República ou que esta última só possa rever o Estatuto com a autorização da primeira. Uma vergonha e uma subversão do edifício democrático e constitucional, feito só para satisfazer clientelas partidárias.
Cavaco é, sem dúvida, o "último dos moicanos". Um homem que, goste-se ou não do estilo, põe à frente de tudo os interesses do país e age com uma seriedade inatacável.
Ele é uma ilha no mundo rasteiro, hipócrita e espalhafatoso da política nacional.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Imagens


G20 Londres (F. Trueba/EPA)


Turquia, dia festivo (STR/EPA)

Alemanha (Rolf Haid/EPA)

Fonte: JN