quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Ellington quarter



Após uma renhida votação a nova moeda de 25 cêntimos de dólar (edição comemorativa de Washington D.C.) irá ter Duke Ellington numa das suas faces.
É a primeira vez que um negro fará parte, não de forma meramente figurativa, do dinheiro americano.
Que este novo quarter seja um bom sinal para a recuperação da economia americana. A Obama não falta entusiasmo e disposição para para a iniciar. Como se pode ver no seu discurso ao Congresso há dois dias:


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Fatwa vintage

Foto: AFP

Foi há 20 anos que Kohmeni lançou a fatwa sobre Salman Rushdie por este ter escrito os Versículos Satânicos. Soube-se agora do papel que o extraordinário escritor inglês Ian McEwen teve nesta história.
Já passou muito tempo e, no entanto, a intolerância religiosa parece ter aumentado. Na Europa e nos EUA a intolerância religiosa tem vivido à custa de desiquilibrados que se juntam à causa do ódio. Fazem-no através da religião, se não fora esta fá-lo-iam por outro motivo qualquer.
Esperemos então que as sociedades intolerantes se quebrem por dentro (por fora são, como vimos, inquebrantáveis) e começe-se a pensar a sério em diminuir a dependência do petróleo, a bem do ambiente global e para mal dos ditadores que nele se empoleiram.

Vale a pena ouvir, a este propósto, a interessante conversa entre Francisco José Viegas e Henrique Raposo no Escrita em Dia.

Os burros ...


A alegre polémica que resultou da patética (diga-se!) apreensão, por parte da PSP, do livro Pornocracia de Catherine Breillat, na Feira do Livro de Braga, tem enchido as notícias deste Carnaval.

O sucesso da notícia é claro: de um lado os burros da PSP (imaginem se fosse da GNR), que não conseguem distinguir erotismo de pornografia, e do outro lado a população cultíssima (jornalistas incluídos) que, após googlar o Gustave Coubert, descobrem a sua fase erótica e aprendem em breves minutos a distinguir quando a pose da passarinha (neste caso diria passarona) é ou não arte.

Diga-se que a PSP interveio porque alguns pais ficaram chocados com o facto de os filhos mirarem (naturalmente) a passarona oitocentista assim exposta, mas acredito que qualquer reportagem da RTP apanharia os mesmos pais, para as câmaras, a dizer que não senhor, que nunca fizeram queixa e que até são muito abertos (com a vizinha, com certeza).

Tenho pena da PSP, é um facto. São normalmente pau para toda a colher e depois caem-lhes em cima ou obrigá-los-ão a frequentar uma acção profissional sobre a cinematografia erótica de Óshima ou sobre a crueza mundana de Henry Miller.

No entanto, permanecerá no Olimpo (nem que seja no Olimpo da Nossa Ignorância) uma realizadora/escritora francesa, que gosta de uma boa polémica para se fazer notada. Quem saberia do seu livro se não fosse a pintura d’ A Origem do Mundo de Coubert assim tão ostensiva. Adoração pela Arte, dirão certamente uns quantos que não eu.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Ser sincero


Esta pequena pausa de Carnaval deu-me a oportunidade para acabar de ler O Filho Eterno de Cristovão Tezza, um escritor brasileiro.
Sem ser deslumbrante é um livro poético e sincero sobre os sentimentos de um pai em relação a seu filho com trissomia 21. Um livro bonito que vale a pena ler, apesar de se encontrar num irritante "brasileiro". Não percebo porque é que a Gradiva não fez a competente tradução. Esperam que nos preparemos para o novo acordo?...
Eu não estou (ainda) preparado.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

O Leitor




O Leitor não é apenas um filme. É arte. É cinema.
Uma mistura delicada de uma Kate Winslet perfeita, de Ralph Fiennes denso e silencioso (como outras personagens que tão bem encarnou) e do sereno génio de Stephen Daldry.
A norte apenas dois cinemas têm o filme em exibição: o Arrabádida e o Medeia no Bom-Sucesso (com péssimas salas, como alguns saberão).
Pode ser que o óscar de Kate Winslet o espalhe...

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Inimigo Público

Não resisto a reproduzir mais uma pérola do Inimigo Público (de 19.02.09):





Jovem inglês que sonhou com mulher perfeita quer conhecer Margarida Botelho do PCP
Adam Pacitti, o jovem inglês que sonhou com a mulher perfeita, desenhou-a e começou a procurá-la no YouTube, MySpace e Facebook, terá encontrado a mulher dos seus so­nhos esta semana, enquanto as­sistia ao programa "O Corredor do Poder". As extraordinárias semelhanças entre a figura do desenho e Margarida Botelho levaram Adam Pacitti a convidar a deputada comunista para ''be­ber um copo", tendo esta recu­sado porque a Inglaterra apoiou a guerra do Iraque e porque os palestinianos não bebem copos. Adam Pacitti resolveu então acrescentar uma barba de três dias ao desenho e convidar para jantar Marco António, o representante do PSD no programa. VE

Serenidade

Foto: Guimarães Digital

Acabei de ouvir à pouco a entrevista à Rádio Santiago do Eng. Vítor Ferreira, candidato do PSD às eleições autárquicas deste ano em Guimarães. E sem ficar surpreendido pela qualidade e clareza das ideias que ele expôs, a maior parte delas que partilho e pelas quais me bati, fiquei agradado pela substância das mesmas e pela serenidade com que foram superiormente expostas.
Fico, e ficarei, sempre com pena se o resultado de umas eleições autárquicas (ou de outras eleições) não se decidirem com base em ideias e em projectos mas, antes, sejam sustentadas em factores dispiciendos e vazios.
É para mim claro que o PS tudo fará para que estas eleições não sejam uma escolha entre projectos. Espero que falhem o propósito.

As minhas escolhas para os Óscares

Com a limitação de ainda não ter visto alguns dos filmes envolvidos na "corrida" deste ano, deixo as minhas preferências (dentro dos nomeados, claro está):

Filme: Milk

Realizador: David Fincher (O estranho caso de Benjamim Button)


Actor: Sean Penn (Milk)


Actriz: Meryl Streep (Dúvida)
(gostaria que Kate Winslet também ganhasse...)

Actor Secundário: Phillip Seymour Hoffman (Dúvida)

Actriz Secundária: Viola Davis (Dúvida)


Palpita-me que nenhuma irá coincidir com as escolhas da Academia.

O buraco negro


A crise económica e financeira que vivemos em Portugal, aliada ao descrédito da justiça e à, cada vez mais clara, falta de carácter do Primeiro-Ministro está a arrastar o país para um buraco negro que tudo suga e esmaga.
Não há dia em que não haja novas revelações. Agora, depois de conhecermos o jeito para os bons negócios imobiliários de José Sócrates, sabemos que o presidente do ICN que aprovou o impacte ambiental do Freeport, foi trabalhar dois anos mais tarde para Manuel Pedro, o tal que Sócrates não reconheceria na rua ... mas que afinal parece que não é bem assim.
A Justiça, depois de 4 anos parada, começou agora a "fabricar" arguidos no caso Freeport sob o peso da responsabilidade de uma carta que veio de Inglaterra e (felizmente) a comunicação social conheceu, pois se assim não fosse continuávamos a zero.
No entanto fica a sensação de que o sistema judicial é como aqueles empregados de bar que se mexem muito, mas não servem ninguém. Cansam-se a fazer vento apenas.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Recomeçou a LOUCURA...

Foto: blogue Vimaranes


Ao ler a notícia de que os jogadores do Vitória foram hoje vaiados, bem como treinador e dirigentes, algo me fez lembrar o ano da descida ou a primeira parte do campeonato na Liga Vitalis. Ódio, insultos, palermice a rodos, desespero.
Sou sócio do Vitória há mais de 30 anos e começo, com tristeza, a compreender que somos também únicos no pior sentido (e custa-me perceber isso, com a clareza de como o percebo hoje). Irei ao jogo do Trofense, mas não tornarei tão cedo ao D.Afonso Henriques se os mentecaptos do costume passarem o tempo a assobiar a minha equipa (que julgo ser a de todos que estão no Estádio).
Não estou para me chatear mais. "Já dei" para tanta estupidez, tanta atitude inútil de alguns adeptos, apesar da mágoa que, naturalmente, me causa o pobre e desinspirado jogo da equipa.


Os cavalos também se abatem



They Shoot Horses, Don't They?
extraordinário filme de Sydney Pollack, de 1969.


terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Rumo à eternidade

Bartoon por Luís Afonso no Público de hoje


E Hugo Chávez conseguiu os seus intentos...
Este lunático ficou com o passaporte que lhe faltava para fazer (ainda mais) da Venezuela o seu quintal privativo. E para nos incomodar nos nossos.

Hic! sr. Ministro

O Ministro das Finanças do Japão chegou neste estado a uma conferência de imprensa. Disse, mais tarde, que o problema foram os medicamentos...


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Os maiores

Os Monty Python são mesmo os MAIORES e revolucionaram (positivamente) o humor. Este é um dos clips de que sempre me lembro (de A Vida de Brian) ...


Boa colheita




Mais um bom filme nesta corrida para os óscares. Vi-o ontem.
Sem me deslumbrar, como o fez Milk; sem me surpreender como aconteceu em Benjamim Button; ou sem uma interpretação fulgurante como a de Frank Langella em Frost/Nixon; Slumdog Millionaire é um filme competente e interessante que tem arrecadado tudo que é prémio: os principais prémios BAFTA e dos Globos de Ouro (à excepção dos prémios de interpretação).
A não perder.

Galileu



O homem que pôs a terra no seu lugar nasceu há sensivelmente 445 anos. Um homem de coragem, floresceu no renascimento e deu um contributo fundamental à Ciência e, especialmente, à nossa forma de encarar o mundo. Galileu Galilei.

(...)

Teus olhos habituados à observação dos satélites e das estrelas,

desceram lá das suas alturas

e poisaram, como aves aturdidas- parece-me que estou a vê-las -,

nas faces grávidas daquelas reverendíssimas criaturas.

E tu foste dizendo a tudo que sim, que sim senhor, que era tudo tal qual

conforme suas eminências desejavam,

e dirias que o Sol era quadrado e a Lua pentagonal

e que os astros bailavam e entoavam

à meia-noite louvores à harmonia universal.

E juraste que nunca mais repetirias

nem a ti mesmo, na própria intimidade do teu pensamento, livre e calma,

aquelas abomináveis heresias

que ensinavas e descrevias

para eterna perdição da tua alma.

Ai Galileo!

Mal sabem os teus doutos juízes, grandes senhores deste pequeno mundo

que assim mesmo, empertigados nos seus cadeirões de braços,

andavam a correr e a rolar pelos espaços

à razão de trinta quilómetros por segundo.

Tu é que sabias, Galileo Galilei.

Por isso eram teus olhos misericordiosos,

por isso era teu coração cheio de piedade,

piedade pelos homens que não precisam de sofrer, homens ditosos

a quem Deus dispensou de buscar a verdade.

Por isso estoicamente, mansamente,

resististe a todas as torturas,

a todas as angústias, a todos os contratempos,

enquanto eles, do alto incessível das suas alturas,

foram caindo,

caindo,

caindo,

caindo,

caindo sempre,

e sempre,

ininterruptamente,

na razão directa do quadrado dos tempos

Poema para Galileo de António Gedeão

Guimarães por E.S.

O blogue desenhador do quotidiano tem um conjunto de magníficos desenhos de Eduardo Salavisa. Deixo-vos alguns sobre Guimarães.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

O mundo pequeno...


Notícia de hoje no jornal Público.

Sentenças (Caso Fripór)


A gravidade do Caso Fripór não poderá ser aferida pela minha pena, nem pelos seus olhos. Não, nós não temos capacidade analítica, nem a inteligência para sondar os altos desígnios de Sócrates. Para esse juízo moral, a que nem eu nem você poderemos almejar, haverá sempre alguém disposto a perguntar a Freitas do Amaral, esse farol da independência e da verdade, se Sócrates é ou não um homem sério e digno da nossa confiança. E Freitas dirá que Sócrates é um homem honrado. Como Marco António o disse de Brutus.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Grisélidis Réal


Fotos: Simon Bradley e Eric Aldag

Grisélidis Réal é uma história. E uma importante história de coragem e inconformismo.
Grisélidis foi uma cidadã Suíça que se tornou a mais conhecida das prostitutas. Assumindo sempre a sua vida através dos seus livros, nunca esquecendo o seu gosto pela pintura. Mas Grisélidis distinguiu-se fundamentalmente na defesa das outras prostitutas, no activismo cívico e em legados que deixou como casas de acolhimento. Grisélidis depois de morte continua polémica, pois a possível translação dos seus restos mortais para o mais emblemático dos cemitério de Genéve, onde se encontra por exemplo Calvino ou Piaget, ou mesmo Jorge Luís Borges (por enquanto, pois a Argentina reclama-o), tem levantado fortíssima polémica. Esta era a sua vontade.

Uma reportagem da TVE


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

365 dias

Odeio aniversários.
Mas posso aproveitar para dizer que este blog se tornou uma das minhas paragens diárias, que não são muitas, na blogosfera.
A um gajo que fala de cinema, de música e do bitória tão acertadamente, perdoam-se as diferenças políticas.

A propósito, e aproveitando um dos teus últimos posts, aqui fica um video-clip de uma das mais belas músicas do Andrew Bird:

Parabéns

1 ano já se passou e passado está mais longe, mas o futurível continua sempre um pouco mais além. Bons e interessantes posts têm por cá passado, não só do "criador" Rui Vítor mas também dos colaboradores que convidou e entre os quais me coube essa honra de por cá escrever algumas linhas.

Que o passado seja sempre futurível...

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Um ano de passado futurível

O primeiro post deste blogue foi colocado precisamente há um ano.
E passado um ano futurível, cá estamos de novo. Obrigado a todos os que nele colaboram e o seguem.

Depois de tanto texto, "comemoram-se" as imagens (da Gazetta dello Sport como não poderia deixar de ser...).

Fans de Oman
Lewis Hamilton no Algarve
Hóquei em Gelo na Praça Vermelha
Andy Murray em Roterdão

Ekaterina Rubleva (Europeu de Patinagem de Helsínquia)
Adepta do País de Gales

Ana Ivanovic em Brisbane

Pista de Ski de Wegen (Suíça)


De calções caídos


Há protestos e protestos. Este adoptado pela equipa Pegaso da terceira divisão espanhola é original. No início do jogo contra o Real Madrid C e em protesto contra os três meses de salários em atraso, a equipa entendeu adoptar a forma de luta que vemos na foto (gazzetta dello sport). Se adoptarmos cá no burgo atitudes destas, pelo caminho que leva o futebol português teremos, mais tarde ou mais cedo, estádios de futebol transformados em grandes festas de despedida de solteiras...

O grande nó

No país onde não há maiorias absolutas o Kadima partido da ex-ministra dos negócios estrangeiros, Tzipi Livni, parece ter ganho as eleições de ontem, a fazer fé nas sondagens à boca da urna e nos resultados apurados. Tal facto é uma reviravolta pois, apesar da proximidade, as sondagens antes das eleições apontavam o Likud como vencedor.
Creio que a vitória da Livni é melhor para o contexto que Israel vive actualmente e permitirá a Obama ter uma intervenção mais ponderada na região. No entanto o jornal Público noticia que Netanyahu se diz disposto a ser primeiro-ministro, apoiado no partido de Lieberman.
Enfim... um grande nó.


Fotos: The New York Times

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Um passo

Foto: Rina Castelnuovo (New York Times)

Falta saber se as eleições em Israel serão um passo em frente ou um passo em falso relativamente à delicada situação que se vive na região.
Israel, um país no qual nunca há maiorias absolutas, vota hoje. Um voto usualmente pulverizado em vários partidos, agora com mais um (e forte, o de Avigor Lieberman) ...


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Alegrias e tristezas

Não pude deslocar-me ontem ao estádio pois tive que dar um (inútil) abraço a um querido amigo meu para quem a vida não tem sido fácil, apesar da enorme generosidade e classe com que ele a vive.
Convém que restem, de ontem, as belas imagens de (inúteis) alegrias, que tornem mais leve esta chuva.




O amigo Chavez

Não poderia deixar de partilhar neste espaço uma das declarações mais absurdas dos últimos tempos - superiores, inclusivamente, às do ministro Augusto Santos Silva - da autoria do presidente da Venezuela Hugo Chávez.




Como aqui se vê (...) Hugo Chavez pretende mudar os mandatos presidenciais de 6 para 10 anos e reeleger-se até ao limite do cronologicamente possível. Segundo ele: 2049, prefazendo 50 anos de presidência. Uma excelente notícia para os produtores do computador Magalhães.

Ironias à parte, não deixa de ser assustador que este senhor seja usado por muito "boa gente" de esquerda como modelo a seguir por contraponto ao capitalismo. O absurdo elevado à condição de ideologia.

A BIOGRAFIA DO NADA por Pacheco Pereira




Pacheco Pereira publicou no seu blogue um post no sábado que eu a seguir reproduzo (foto incluída):
Não é crime nenhum não ter biografia "antifascista", em particular quando se era demasiado novo para se perceber em que país é que se vivia. Mas existe a mania de encontrar sempre algum obscuro traço de oposição ao regime, uma legitimidade ab anteriori no antes do 25 de Abril. Esse exercício existe no PSD, onde já tem levado a situações um pouco caricatas, mas é mais comum no PS. Já Guterres, que nunca teve qualquer vislumbre de oposição e que, bem pelo contrário, estava a iniciar uma carreira de jovem quadro tecnocrático no regime, atribuía-se uma vago "trabalho social" que manifestaria a sua insatisfação, logo o embrião de um embrião de um embrião de oposição a Salazar e Caetano. Agora é Sócrates que, supostamente, se "deliciava" junto com o pai na leitura dos "livros incómodos para o regime", encomendados através da Seara Nova, como refere hoje uma reportagem na revista NS distribuída com o Diário de Notícias e Jornal de Notícias. Coitado do jovem José Sócrates, então com 15 ou 16 anos, a "deliciar-se" com os sérios e macambúzios livros da Seara Nova... Será que quem disse, ou quem escreveu isto, faz mesmo ideia que livros eram esses? Será que quem disse ou quem escreveu isto, faz mesmo ideia que a expressão "deliciar" é um completo absurdo para descrever a atitude de alguém que, antes do 25 de Abril, lia "livros incómodos para o regime"?

O problema destas biografias de gente sem biografia, biografias do nada, é que se enchem de factos irrelevantes e triviais, interpretados de modo a construir uma "imagem", quando não há nada de interessante para essa construção. A não ser mostrar como se pode ter sucesso no plano político com pouco mais que nada de vida ou nada na vida. E Sócrates está longe de ser único.