sexta-feira, 28 de junho de 2013

Reconhecimento de Guimarães



Guimarães é hoje agraciada pelo Presidente da República (PR) como membro honorário da Ordem de Sant'Iago da Espada (ver aqui), uma distinção que visa reconhecer o mérito de Guimarães enquanto cidade com memória e preocupações com o património, bem como celebrar as suas potencialidades enquanto cidade de cultura e de futuro.

Apesar de ter sido em Guimarães que começou a estranha mania de se assobiar o PR, desconhecendo a generalidade dos vimaranenses o seu particular empenho para que não faltassem a Guimarães as verbas assumidas para a Capital Europeia da Cultura, Cavaco Silva não se deixou guiar pelas emoções ou pelo ensimesmamento de que é, minuto a minuto, acusado. Reconheceu pela razão o mérito a Guimarães.

Bem haja por isso.


Foto: Daniel Rocha (Público)

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Os saldos



“(...) se queremos tirar do atoleiro em que está uma geração inteira, de gente potencialmente digna de aproveitamento, temos que tomar a educação não como uma verba a mais, mas como um princípio de vida, e uma sensibilidade pátria.”
Agustina Bessa-Luís. Dicionário Imperfeito. 2008.



Das coisas que eu não percebo há uma que me dá uma angústia especial: os saldos. Mas das coisas que eu não entendo essa será porventura a mais acessível ao meu entendimento. Apesar disso a zona do meu córtex cerebral que deveria processar a informação relativa ao assunto em causa permanece com a atividade característica de um pedaço de betão. Desconheço ainda hoje quais as épocas de saldos, qual a lógica a que a elas preside, qual a dimensão e significância percentual da coisa.





Admito que ter sido criado por um magnífico trio de tias comerciantes que nunca promoveram um saldo na vida pode ter ajudado à minha presente desqualificação. Contudo a lógica consumista das últimas décadas deveria ter-me dado ferramentas para não me sentir perdido, e quantas vezes intimidado, em época de saldos.
Ainda a passada semana precisei de uma camisa e entrei numa loja em saldos. A primeira coisa que se nota é a maior afluência de clientes e aquela sensação desconfortável de transporte público apinhado. Como eu permaneço a destempo, apesar da idade, com os ensinamentos que me deixaram na infância, para dar lugar aos mais velhos e às senhoras nos autocarros, acabo por me deixar ludibriar com alguma facilidade no processo implacável dos saldos. De repente a camisa que escolhi está nas mãos de uma senhora. Pousei-a apenas uns breves segundos enquanto, cheio de vontade em aprender, dava uma vista de olhos noutros artigos. E lá vai a camisa, desabotoada e enorme, nas mãos de uma senhora pequenina que parece ter ganho a loteria nacional. Só me resta adaptar e esperar que ela largue a presa e eu solte a hiena que há em mim atacando no momento certo.

Se a minha infância não me preparou para a selva dos saldos o meu presente deveria tê-lo feito. Tenho uma mulher que sente no ar a vibração dos saldos, à imagem da volúpia animada do cheiro de comida no cinema de animação. Já assisti à sua chegada à loja pouco depois dos cartazes de saldos terem sido afixados. Às vezes fico com a sensação que a minha mulher sabe dos saldos antes das funcionárias e, eventualmente, antes dos concessionários. É possível que as mulheres, algumas mulheres como a minha, tenham não só um sexto, mas também um sétimo sentido para estas coisas de compras e saldos. Nunca a acompanho nas gloriosas jornadas dos saldos porque não aguento a pressão mas também, suponho, porque iria atrapalhar os movimentos felinos de uma mulher talhada para a oportunidade, que chega a casa estourada mas feliz imersa nos despojos de guerra. A minha mulher é uma profissional que já não se contenta com o saldo vulgar mas vai ao limite da possibilidade máxima do saldo, como um mergulhador que entra em apneia para além das suas possibilidades físicas. E se eu nunca sei o meu número de calças ou de camisa, hesitação fatal no mundo predatório dos saldos, ela consegue saber o de todos e para todos trazer qualquer coisa arrancada das profundezas do preço irresistível. Para se ser bom em saldos é importante ter técnica e intuição e estar no topo, como os bons profissionais do desporto, das capacidades físicas e psicológicas. Eu não tenho, reconheço com alguma mágoa, nenhuma dessas qualidades.




A educação está em saldo há tempo demais neste glorioso país que, sem riquezas naturais que o salvem, conseguiu por breves momentos históricos estar à frente quando apostou no conhecimento e no saber. Já se fizeram os saldos dos 20%, já lá vão os dos 50%, e este Governo apostou agora nos  80%. É o arrumar da coleção sem perspetivas de uma nova. É a liquidação total da loja e dos funcionários que, bravamente, se recusaram por estes dias a fechá-la. E apesar de alguns clientes vociferarem, mais por patética ignorância do que por maldade ou recalcamento, é possível ainda travar as consequências da loja vazia e sem futuro. A começar por mim, militante do PSD, que não se revê na deriva ideológica de um partido fundado noutros valores e com uma gerência desadequada aos seus princípios e à sua história. A estes saldos seguramente não irei, nem participarei com o meu silêncio.



Publicado in O Comércio de Guimarães
Fotos Alexandre Coelho Lima

terça-feira, 25 de junho de 2013

António de Azevedo: a justa homenagem


Está feito. Ou quase feito: resta o lançamento do livro na FNAC na próxima sexta às 18h30min. A António de Azevedo, de quem Santos Simões afirmou na homenagem de 1989 (promovida pela Escola Francisco de Holanda, C.A.R  e Museu de Alberto Sampaio),




“ Pode dizer-se que ele (António de Azevedo) não ficou a dever nada a Guimarães e que esta cidade contraiu uma dívida para com ele que nunca se preocupou em pagar-lhe”.


 foi prestado um justo tributo e a necessária homenagem.



A partir de agora os vimaranenses, sempre tão interessados na sua história, ficaram a conhecer melhor a importância de um homem que marcou o espaço público de Guimarães e a sua cultura dos anos 30 até ao final dos anos 60 do século passado.




Projeto: Muralha-Cineclube-Assembleia
Apoio: Programa Constelações. Câmara Municipal de Guimarães.

Escultor: Viana Paredes    Arranjo Urbano: Miguel Frazão

sábado, 22 de junho de 2013

Coimbra


A classificação pela UNESCO da Universidade de Coimbra a Património Mundial é um reconhecimento justo a uma cidade e a uma instituição  que marcou e marca Portugal desde o longínquo ano de 1290.

Este reconhecimento deixa-me muito feliz e espero que Coimbra e a sua Universidade saibam honrar a distinção e o compromisso. Durante os bons anos que lá passei, e em que Guimarães ainda não era Património Mundial mas em que já se respirava a necessidade de preservar o património vimaranense, sempre me fez confusão como se ignorava de forma por vezes escandalosa a benção que a História tinha deixado àquela cidade.

Inicia-se agora um novo começo para um promissor futuro.


Foto: Adriano Miranda in Público

domingo, 16 de junho de 2013

Funky


A música funk surgiu como um grito de revolta contra uma situação de impasse na luta dos direitos civis dos negros americanos nos anos 60/70. No contexto da violência que se gerava na América - Malcom X assassinado em 1965, Luther King, já prémio Nobel, assassinado em 1968- o funk nasceu e impôs-se a partir dessa altura.

A versão de Satisfation dos Stones por Otis Redding é arrasadora ...


... no festival de Monterrey (junho de 1967), meses antes da morte de Otis num desastre de avião.


O grande festival de Wattstax, Los Angeles 72, afirmava a liberdade e o orgulho na raça negra, e permitiu produzir um notável documentário que mostrava, entre outros estilos, a força do ritmo funky (aqui com um colorido Rufus Thomas).




O funk foi o grito de James Brown ...




Ou o delírio on drugs de George Clinton (Parliament) ...






A sua alegria vinda de uma profunda insatisfação ainda hoje faz mexer muita gente. E bem.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

A greve - uma questão de desconfiança






Em 20 anos de serviço enquanto professor raramente recorri ao meu direito à greve. Por defeito, ou por feitio, sempre me senti desconfortável enquanto educador ao exigir aos meus alunos a sua dedicação ao estudo e depois faltar, mesmo que esporadicamente, em relação aos meus deveres para com eles.  No entanto nunca critiquei quem agiu de modo diverso do meu pois, acima de tudo, acredito nos valores de um Estado democrático e na importância que eles têm na nossa civilização ocidental. Os valores em que a Europa se funda hoje, malgrado a situação de indefinição que vivemos no seio da União, não caíram do céu nem resultaram de delírios políticos ocasionais, antes foram construídos com muito sangue e muito sofrimento pelos povos europeus, ao longo de séculos. O direito à greve resulta desses valores constitucionalmente consagrados em democracia. A greve pode ser criticada, mas o direito a ela é inalienável.
A questão que agora se colocou a mim e aos meus colegas professores, é a de dar uma resposta afirmativa a uma questão fundamental ao país e que é a qualidade do ensino público, com todas as implicações que tal resposta tem ao nível do futuro de Portugal. O estado a que chegamos enquanto sociedade, por motivos e com responsabilidades que não me atrevo aqui a tentar analisar, criou um estado de ansiedade e incerteza nos portugueses que se agrava pelo descontrolo político visível em muitos daqueles que nos governam.  O Senhor Ministro da Educação é, infelizmente, um desses exemplos, o que me surpreendeu face à imagem dele tinha.



Qualquer português mais atento já percebeu que a greve dos professores e, fundamentalmente, as consequências da greve nos alunos e nas famílias é um assunto sério e fraturante. Como acontece nestas situações a retórica passa com facilidade a demagogia. De um lado e de outro.
Os professores aguentaram, como outras classes profissionais, uma degradação acelerada das suas condições profissionais ao longo da última meia década com o esforço e o brio profissional suficiente que não puseram em causa a qualidade do ensino público. Pelo contrário, recentes indicadores internacionais como o TIMSS (Trends in International Mathematics and Science Study) ou o PIRLS (Progress in International Reading Literacy Study), dão nota de progressos claros dos nossos alunos. Isto tudo num contexto ainda muito deficitário do nosso sistema de ensino que até 2011 conseguiu qualificar apenas 49,6% dos jovens entre os 20-24 anos com o 12ºano, enquanto a média da União Europeia é de 77,9%, e os objetivos traçados para o espaço comunitário para 2010 eram de 85%. Os professores aguentaram, num contexto de  dificuldades do país e de compromissos internacionais exigentíssimos, uma quebra de salários violenta, o congelamento abusivo das suas carreiras, o aumento significativo de alunos nas suas turmas, um aumento do seu número total de alunos, a patética e confusa avaliação, os ajuntamentos irracionais de escolas e a consequente dificuldade de organização dessas mesmas escolas e de acompanhamento do seu funcionamento, a sua perda de representatividade em órgão centrais das escolas. O que os professores não aguentaram foi o ataque à sua dignidade profissional e o maquiavélico processo de desgaste da sua imagem no tempo da Ministra Maria de Lurdes Rodrigues. O que os professores não aguentam hoje é a indefinição alimentada por perspetivas ora negadas ora reafirmadas. Não aguentam preparar, apesar de tudo aquilo que já perderam, um novo ano letivo com novas regras irracionais e penalizadoras do ensino. Não aguentam que sobre eles se roguem as dez pragas bíblicas para mais à frente dizerem que afinal serão só três ou quatro. Não aguentam que se lance na praça pública um anátema sobre eles, sobre a sua situação profissional, que se ameace a necessária estabilidade para que mais à frente se recue, e depois de recuar se chegue a outubro e face à situação do país seja afinal para cumprir o tal propósito que durante meses se jogou nos jornais. É absolutamente insustentável ficar passivo perante este jogo, perante este propósito tático que põe em causa aquilo que todos consideram fundamental e decisivo para o futuro do país – a educação, e em particular a capacidade e qualidade da escola pública – mas que é frequentemente o cordeiro que prontamente se sacrifica no altar das dificuldades.

Sou militante do PSD e penso continuar a sê-lo durante muito tempo. Sempre achei que a política partidária é um pilar essencial da democracia e desempenhei no meu partido um conjunto de cargos com responsabilidade. Hoje mais afastado da política partidária ativa mantenho-me atento, crítico e colaborante em alguns assuntos que são para mim importantes. Este assunto é-o e não deixarei de vincar a minha opinião. Não vou rasgar agora as vestes partidárias, nem engrossar de forma derrotista as fileiras dos que demonizam a política.

Vou fazer greve na segunda-feira, apesar dos prejuízos que possa causar aos alunos que me esforcei por ensinar ao longo do ano, porque acredito que a educação merece outro tratamento, outra consideração, e uma estabilidade que permita que mesmo com os poucos recursos de que dispomos enquanto país nos continue a aproximar dos níveis de educação dos países mais desenvolvidos e não nos remeta para um sistema que degrade o ensino público e a sua importância no desenvolvimento e futuro do país.
Todas as minhas filhas estão no ensino público e, cada uma no seu nível, têm sido exemplarmente acompanhadas por colegas de profissão. Devo isso ao meu país, ao brio dos professores e aos responsáveis políticos que perceberam a importância da educação. E gostaria acima de tudo que eu, os meus colegas, as minhas filhas, os meus alunos, possam viver e melhorar com a Educação Pública e não, meramente, sobreviver a ela.


Foto: How green is my valley. John Ford. 1941.