terça-feira, 30 de junho de 2009

Artigo de Jaime Nogueira Pinto


O Jornal i, já aqui o referi, é um diário que me enche as medidas. Pela diferença, pela perspicácia, pela inteligência e inconformismo. Gostei particularmente do artigo de hoje de JNP sobre D. Nun'Álvares Pereira ou será S. Nuno?

Andei estes últimos meses à volta da figura do Condestável de Portugal, D. Nuno Álvares Pereira, agora santificado por Bento XVI e cujo nascimento em 1360 se comemora a 24 (ou 25) de Junho. (...)
Hoje, olhando Nun'Álvares com outra leitura e experiência, o que me continua a fascinar no homem - o santo é outra história - é a sua capacidade de decisão, a sua coragem de escolher coerentemente e avançar com todas as consequências.
Isto sem ser um cabeça quente, um desses militarões básicos, bravos fisicamente, atirados para a frente, mas que às vezes, com essa coragem pessoal extrema conduzem ao desastre. Tipo Custer em Little Big Horn, ou carga da Brigada Ligeira?
Não. Nun'Álvares tem uma coragem (que vem, como tudo nele, na sequência de uma convicção de que Deus está com ele porque a sua causa é justa) reflectida, escolhe bem as posições no terreno, prepara e dispõe os homens adequadamente, procura ler a cabeça e intenções do inimigo, escolhe o momento certo para dar batalha. Mas, uma vez formada essa decisão estratégica, não hesita.(...)
Quando tudo começou, em 1383, os dados objectivos eram contra Nun'Álvares e o partido português de D. João, Mestre de Avis. Tinham com eles o povo de Lisboa e do Porto, alguma arraia-miúda do Alentejo, filhos segundos e bastardos da nobreza, alguns burgueses, alguns bispos. Contra a legalidade senhorial, os chefes das grandes casas, os alcaides dos castelos e sobretudo o exército e a esquadra castelhanos.
Se houvesse então sondagens e analistas políticos, tinham com certeza apostado quase em massa na vitória de D. João de Castela e da união dos reinos, que levaria ao desaparecimento de Portugal.
Era a racionalidade, era o pragmatismo.
Nun'Álvares foi contra tudo isso: com fé, com coragem, mas também com inteligência e o que a arte militar do tempo tinha de mais moderno.
Às vezes, o caminho mais difícil é também o da vitória. Pelo menos nas coisas grandes.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

150 anos de prisão!

Foto_reuter-in-Publico
Madoff, preso preventivamente desde Março (DESTE ANO) foi condenado por um tribunal de Manhattan a 150 anos de prisão pela fraude financeira que cometeu. Esta notícia nem merece comentários. Porque a fazê-los iria dizer aquilo que se impõe e gostar um pouco menos do meu país. E isso não me apetece nada fazer...

Os meus filmes #4


Gosto muito, mesmo muito, dos filmes de John Ford. Tive a sorte de numa época em que acordava para o cinema, e perante algum sectarismo estúpido que atravessou o Portugal do final dos anos 70 e início dos anos 80, ter tido a possibilidade de ler e ouvir homens como João Bénard da Costa ou António Pedro de Vasconcelos que tinham o realizador no sítio certo: na categoria do admirável.
Gosto de quase todos os seus filmes, mas tenho uma relação especial com O Homem que Matou Liberty Valance. Nesse filme há tudo. Há a dureza do velho Oeste e a esperança na educação e na Democracia. Há aqueles que são claramente maus e os homens de princípios e de convicções, capazes até de abdicar de um grande amor como Tom Doniphon (John Wayne) o faz em prol de um bem maior protagonizado por Ranson Stoddard (James Stewart): já que a ensinaste a ler e a escrever, dá-lhe agora algo que ler e sobre que escrever diz Tom a Ranson, quando este último queria abandonar a cidade que o acolheu.
É o crescimento da Democracia, da Lei, da Imprensa no velho Oeste. É um filme perfeito, com uma dupla de actores perfeita (penso que só rodaram uma vez mais juntos em 1976 num filme de Don Siegle, por sinal o último de John Wayne). Bénard da Costa questionava-se sobre quem realmente tinha matado Liberty Valance, apesar do filme dar, claramente, a resposta.
E tinha razão, como diz, quase a finalizar o filme, o director do Shinbone Star: quando uma lenda se torna facto, imprima-se a lenda.

Jean Seberg



Esta bela actriz representou, e muito bem, a cara da nouvelle vague através da sua inesquecível participação no filme de Godard À bout de souffle / O acossado de 1960. Após uma entrada grandiosa no cinema (apesar do insucesso do filme) pela mão do mestre Otto Preminger em Joana d'Arc (1957).
Vida infeliz, curta e atribulada para uma norte-americana do Iowa, delicada e frágil, a quem o mundo foi sempre demasiado pesado.

sábado, 27 de junho de 2009

Cidade irmã


A nossa cidade irmã Cidade Velha, ou Ribeira Grande de Santiago, de Cabo Verde foi reconhecida como património mundial da Humanidade. Uma excelente, e ao que sei, merecida notícia.

Resistam!



Fotos Ben Curtis/AP

Off the wall


Vitória

Foto_VSC
Passei ontem pela AG do meu clube e não o deveria ter feito. Saí de lá envergonhado e espantado com o ódio e a estupidez que tomou conta de tanta gente que se presta a um papel absolutamente miserável. A forma como terminou a AG foi uma vergonha e o clube sofre com o desplante, a loucura e estupidez de alguns incendiários ... que não podem, de forma alguma, gostar do clube. Que não ouvem nem querem ouvir (aliás aquele pavilhão não tem condições para se fazerem assembleias) e não têm a mais pequena noção de civilidade, educação ou respeito pelos outros.
Uma verdadeira vergonha.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Portugalinho


A compra de uma posição importante da Prisa (empresa que controla a TVI) por parte de uma empresa, a PT, onde o Estado (leia-se governo) tem uma posição priveligiada foi e continua a ser um acontecimento.
A TVI foi eleita pelo PM como um alvo a abater. A linha editorial da estação irrata-o; a forma aguerrida como a estação agarrou o caso Freeport pôs o Sócrates, várias vezes, fora de controlo.
É legítimo por isso pensar que a PT se propôs fazer um frete ao governo, comprando posições importantes na TVI. Segundo disseram os analistas económicos a PT propôs-se pagar um preço muito superior ao valor de mercado. O que não deixou de ser estranho...
Típico de uma terrazinha de província em que o primeiro que se tenta fazer é comprar as opiniões e, se estas não se consegue comprar, só resta então destruí-las.

O caso é tão grave (e pareceu tão óbvio) que o Presidente da República se viu obrigado a intervir. Neste momento, e face à pressão institucional e mediática, tenta esconder-se o lixo debaixo do tapete.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Portugal


O Presidente da República foi inexcedível em simpatia e respeito por Guimarães, nas mais bem planeadas comemorações do 24 de Junho de que tenho memória. Falo não só em termos do significado e eficácia dos eventos mas também, e sobretudo, do ponto de vista do significado político da visita, nomeadamente em relação à nossa história comum.

Multimedia_Presidência_da_República

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Roxana Saberi

Foto_reuters
A jornalista que foi presa no Irão e depois, felizmente, libertada devido à pressão internacional fala à BBC sobre a situação no Irão.

Estrada sem fim

No momento em que o Irão continua a sofrer e a revoltar-se contra uma repressão que se intensifica a cada dia, é bom lembrar o Irão pelo cinema. Uma particular e bela escola que nos tem dado belíssimos filmes. Aqui uma curta-metragem que ganhou o Porto7 .
De Tofigh Amani a curta This place, the roads have no end. Legendado (ou coisa parecida) em inglês.
A ver (apenas) num monitor razoavelmente generoso.

Torneio medieval




Apesar de demasiado baseado nos modelos de encenação do wresteling (teria, eventualmente, que o ser, para animar a malta) ... o Torneio Medieval ajudou a pintar o cenário lindíssimo que é o Castelo de Guimarães.

terça-feira, 23 de junho de 2009

24 de Junho


As comemorações deste ano do 24 de Junho, aliadas às comemorações do nascimento de D. Afonso Henriques, vão ter a projecção merecida. A presença de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa e o programa delineado a isso ajudam.
Foi muito importante, e para isso deu o meu modestíssimo contributo, centrá-las este ano exclusivamente no nosso Rei.
Guimarães merecia.

Vitor Ferreira 2009

Está disponível o site da candidatura do PSD à CMG.
Fica o vídeo da apresentação do candidato.

A força de uma mensagem


Será que a revolta dos iranianos e a coragem que ela pressupõem se daria se Obama não se tivesse dirigido ao mundo islâmico, e ao povo iraniano em particular, há três meses atrás?...

O brutal assassínio de Neda

A sangue frio. Do cimo de um prédio um assassino apontou sobre uma jovem e matou-a. Neda acompanhava o pai numa manifestação de protesto em Teerão morreu passados instantes. As imagens no YouTube provocam uma imensa tristeza e uma revolta incontrolável. A frieza e a inutilidade do assassinato mostra a estupidez da ditadura e dos algozes que lhe dão forma.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Verão melancólico


Começa para mim este verão de forma melancólica com Scottt Matthew, um australiano a viver em NYC. White Horse do interessante álbum There is an ocean that divides.

domingo, 21 de junho de 2009

A marcha verde




Fotos_EPA_NYT
Depois de Khamenei ter proibido as manifestações Teerão começa a viver momentos de verdadeiro medo. De qualquer das formas, como se pode ver no YouTube, pela rua continua a pulsar a liberdade. Há quem afirme que neste clima de terror muitos polícias se têm recusado a carregar sobre os manifestantes...

sábado, 20 de junho de 2009

A Comissão

Foto: Pedro Azevedo
A comissão da Assembleia da República que trata do caso BPN tem feito um trabalho muito importante. O semanário Expresso lembra isso hoje. Com uma participação combativa e sustentada de Nuno Melo ou com a simpatia e coerência da sua presidente - Maria de Belém -, esta comissão deu e continuará a dar um bom sinal sobre o trabalho dos nossos parlamentares. Pelo menos de alguns ...

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Ascot

Estão a decorrer as famosas corridas de cavalos de Ascot (16 a 20 de Junho), em Berkshire, Ingaterra, fundadas pela rainha Ana em 1711.
O Royal Ascot está ligado às tradições britânicas e à sua monarquia e o seu dress code é famoso. Apesar de todo o rigor os invulgares chapéus de algumas senhoras não têm limites, o que tornam este evento secular ainda mais conhecido.



Outros são simplesmente elegantes ...


quinta-feira, 18 de junho de 2009

Votar: eis a questão.

Foto in Flickr_sodawobsky
Tem surgido na comunicação social e na rede uma polémica gorda sobre a data das eleições. A mim não me incomoda nada, mesmo nada que as legislativas e as autárquicas decorram na mesma data. Não percebo muito bem qual a dificuldade democrática em fazê-las em conjunto. Há muita gente a defender a desvalorização dos actos de escolha que a simultaniedade das duas eleições provocaria. Não acho isso. Acho que devemos ser capazes de o fazer e não lembrar aqueles empregados de mesa que só conseguem perceber um pedido de cada vez ...
Nos EUA quando se vota para a presidência vota-se para muitas outras coisas. Serão os americanos tão mais hábeis assim que os portugueses?

A estrela afegã

Vai estrear na próxima semana, em algumas cidades dos EUA, o documentário Afghan Star que foi premiado no selecto festival de Sundance. Nele se retrata o sucesso de um programa de TV - Afghan Star - com o mesmo formato do American Idol e que representa a procura de liberdade de muitos jovens afegãos (60% da população) através da música. O programa é um sucesso no Afeganistão e vai já para a 5ª temporada, apesar da condenação dos radicais a quem cante e dançe. Especialmente as mulheres. Talvez o documentário estreie, algum dia, por cá.

Oceano Atlântico

Richard Swift vale a pena. Não surpreende, mas sabe bem. Do fresquíssimo Atlantic Ocean editado pela etiqueta Secretely Canadians (há quanto tempo não utilizava a palavra etiqueta...).

O vídeo é tão mau que acaba por ser uma delícia...

Guimarães Digital

Foto_twilightjones-In_Flickr
Entendo que Guimarães, com a sua Câmara na liderança, deve dar um passo decisivo na ligação por fibra óptica, servindo os consumidores e um conjunto de estruturas importantes como escolas, o Campurbis, o AvePark, a Universidade do Minho, entre outras.
Deter hoje o poder das comunicações é um factor importante - como hoje é o de ter a distribuição da água por exemplo - na construção do futuro e no propiciar do desenvolvimento de uma economia baseada na rapidez, flexibilidade e fiabilidade das comunicações. O futuro passa por aí.
Se a Câmara Municipal, juntamente com outras entidades, tiver a capacidade de promover e liderar um projecto ambicioso de criação de uma rede de fibras ópticas estará não só a promover o seu desenvolvimento tecnológico, como também o de proporcionar aos seus cidadãos um acesso mais barato e de maior qualidade aos seus cidadãos, já que irá obrigar a uma concorrência entre as empresas para acederem a uma rede de alta capacidade que elas próprias ainda não têm. E a tê-la terão de a construir a expensas próprias.
Defendi isto hoje na reunião da CMG dando o bom exemplo da Porto Digital que está a construir uma das mais vastas e completas redes citadinas, com simplicidade de colocação da rede dada a facilidade com que estas obras se fazem.
Não chegará, do meu ponto de vista, que apenas as grandes instituições a tenham - como referiu hoje o Presidente da CMG em resposta à minha intervenção - é necessário "democratizar" o acesso à fibra óptica tendo em atenção a escala. É importante perceber que fibra óptica pressupõe investimentos importantes e que é importante perceber qual a escala adequada.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

A mistificação

Aguentei, até há pouco, e muito pouco diga-se, a "entrevista" de José Sócrates à SIC (com Ana Lourenço). Aquilo não é jornalismo: é um passeio, um namoro, um monólogo de hipocrisia. Uma entrevista num programa da manhã seria certamente mais difícil para o PM. A SIC está claramente a pôr-se a jeito. Depois da sondagem na noite das europeias ... isto.
Não há pachorra.

terça-feira, 16 de junho de 2009

Tapar o sol com a peneira


Fotos_getty_images

A "derrota" estrondosa de Massavi cheirou a esturro e os iranianos saíram à rua. Para humilhar os laivos de oposição o sistema religioso iraniano deu sinais de uma esmagadora vitória de Ahmadinejad no Irão com uma vantagem escandalosa. Até Ali Kamenhei já prometeu apurar a legalidade das eleições tal a indignação da rua.
A par de tudo isto as comunicações tornaram o regime iraniano permeável. É só ver o YouTube,
os blogues, a actividade das redes sociais, a convocação de manifestações por telemóvel, etc. A internet tem destas coisas: torna a mentira mais inverosímel.

Foto_Ben Curtis_AP
Foto_AP
Foto_abedin_thherkebareh_EPA

Home

Um documentário (muito bonito) de Yann Arthus-Bertrand em distribuição por todo o mundo na rede.


Pode ver-se (ainda) todo o filme aqui (em português).

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Um sopro de Liberdade


Fotos_AFP
O espírito da Democracia acordou no Irão. Já nada será como dantes e ainda bem.
Será difícil o Irão mudar agora; mas despertou, indubitavelmente, um espírito novo.
Foi pena que Khatami não tenha reunido condições tirar o Irão do buraco em que se meteu (já lá vão 30 anos desde a Revolução). Surpreendentemente, até um "cinzento" Moussavi arrastou, como hoje se vê, multidões fartas da ditadura e da estupidez obscurantista que tomou conta da Pérsia.


Fotos_CBS

Já está!


Fotos_nba

Lakers campeões da NBA: 4-1 aos Orlando Magic.
Um Kobe Bryant imparável...

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Os meus filmes #3


A primeira chapada havia-a apanhado um ano antes. Violenta e marcante, na sala bebé, no Porto, com o filme Da Vida das Marionetas (1980). Em 1983 em Coimbra vi os Morangos Silvestres (1957) de Ingmar Bergman, numa daquelas sessões clássicas da tarde no Teatro Avenida em Coimbra. Aterrei completamente naquela viagem ao passado, apesar da minha juventude de então. Foi inevitável. A personagem do médico Isak Borg (uma homenagem a Victor Sjöström feita magistralmente por Bergman) a caminho da consagração académica de um final de carreira (viagem real em que é acompanhado pela nora), transporta-o ao que foi, ao que tinha tido, numa viagem de sonhos, com planos absolutamente espantosos e com uma classe e sensibilidade cinematográfica que poucos realizadores têm. E Bergman sempre as teve. Nunca mais esqueci o filme, revejo-o hoje, ocasionalmente e sempre em ambiente de extrema devoção e silêncio, em DVD.

Gente atenta

O jornal i é um jornal fresco, cosmopolita, interessantíssimo. Vou-o comprando a espaços, dada a minha fidelidade ao Público e a crise. Hoje traz, entre opiniões curtas e claras, um interessante artigo sobre George Steinbrenner, o mítico patrão nos New York Yankees que se tornou em mais uma das brilhantes personagens da saudosa série Seinfeld. É atento e isso é impagável. Recorde-se a contratação de Constanza na série:

Lhasa de Sela

Lhasa de Sela é uma cantora nova-iorrquina radicada no Canadá. Con toda a palavra é um dos interessantes temas do 2º álbum.