segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Futebol: o rei vai nu



Factos da jornada 13:

FCPorto: 0 portugueses na equipa inicial
Benfica: 1 português na equipa inicial
Braga: 4 portugueses na equipa inicial

Sporting: 6 portugueses na equipa inicial
Vitória: 7 portugueses na equipa inicial

V.Setúbal- Boavista: 1.000 espectadores
Penafiel-Nacional: 815 espectadores
Paços de F.-Arouca: 2.000 espectadores
Belenenses-Braga: 1.500 espectadores
Marítimo-Estoril: 1.500 espectadores (?)
Gil Vicente – Académica: 1500 espectadores

Vitória-Rio Ave: 17000 espectadores (?)
Porto-Benfica: 48 000 espectadores
Sporting-Moreirense: 29.000 espectadores


Ao nível de assistências existe, em casa, basicamente 5 clubes que têm gente no seu estádio. O resto é absolutamente confrangedor, ficando o campeonato português a léguas das assistências dos excitantes campeonatos da Noruega, da Áustria e da Suécia.
Nos campos que têm gente apenas o Vitória e o Sporting jogam habitualmente com mais de metade dos seus jogadores com nacionalidade portuguesa.



Como é possível manter uma seleção com o nível que exigimos se o milagre Ronaldo desaparecer? Não é possível.

O curioso é que sendo o Vitória um exemplo de clube de futebol – tanto ao nível das assistências como ao nível dos jogadores nacionais – é, temos visto, um alvo a abater por qualquer clube. Fazem-se conferências de imprensa depois de um jogo connosco, os treinadores rasgam as vestes a cada decisão arbitral e há os que estão obcecados por ficar à nossa frente. Parece tonto e absurdo, mas é a realidade que vivemos.





O exemplo que o Vitória hoje dá não é alvo de cópia nem de elogio, pelo contrário: há uma demente vontade de nos destruírem, de nos apoucarem, da parte daqueles que nos invejam e também dos "três grandes" que não perdoam a nossa inexpugnabilidade clubística.




Ontem, hoje e amanhã, gastar-se-á muita tinta e muita verve a analisar coisa nenhuma. Em vez de acordarmos e tentarmos mudar este plano inclinado em que o futebol português se vai, cegamente, transformando.



Fotos: Zero a zero/Catarina Martins; worlfootballnet, reflexão portista

1 comentário:

luis cirilo disse...

Compreenderás perfeitamente que por trás dessa vontade de nos aniquilarem estão dois factores.
Por um lado o caminho que encetamos, atempadamente, de aposta na formação e no futebolista português está já a dar os seus frutos. Outros terão de fazer o mesmo percurso (especialmente os de dimensão semelhante à nossa)mas estão muito atrasados o que pode dar ao Vitória uma importante vantagem se soubermos consolidar o nosso caminho. Por outro lado esta opção vitoriana é lesiva, e muito, do negócio dos empresários que passa por ganharem dinheiro com a transferência de jogadores "feitos". Nomeadamente "importações" da América do Sul. Naturalmente que se os clubes formarem bem reduzirão, e muito, a necessidade de adquirirem. E isso estraga o negócio.
Acho que o Vitória estás no bom caminho. Há que continuar.

P.S. No Vitória-Rio Ave estavam(números oficiais) 19.978 espectadores. Com os ocupantes do camarote presidencial que não são contabilizados pelos torniquetes pode falar de mais de 20.000 espectadores.

P.S.2 : Quando falo de empresários refiro-me, também, aqueles que dentro dos clubes lucram com os negócios