quarta-feira, 24 de julho de 2013

O DIA V




“O binómio de Newton é tão belo como a Vénus de Milo. O que há é pouca gente para dar por isso.”
Álvaro de Campos. Poesias. 1928.


A possibilidade de pensarmos uma ideia é algo de fantástico. Afastarmo-nos do nosso lado animal e instintivo, das características gregárias e comuns tributárias de milhares de anos de evolução, é algo de particularmente excitante e sempre novo. A ideia, ter uma ideia, desenvolvê-la, concretizá-la, partilhar essa ideia e reconstruí-la na combinação de várias criatividades, é um arbítrio de alma. Assim surgem os melhores exemplos musicais, as mais profundas descobertas científicas, a roda ou o fogo, os melhores pratos, a teoria de Darwin ou a poesia de Pessoa, a moda, a arte ou o jogo, o cinema, o ser-se romântico, ou seja grande parte daquilo que, a par da beleza natural das coisas, faz valer a pena o biológico ato de existir.

O DIA V, exposição fotográfica que se inaugura na próxima sexta-feira, pelas 18h00, no Palácio do Centro Cultural de Vila Flor, é uma ideia, certamente não tão grandiloquente e determinante como as referidas no parágrafo anterior, mas uma ideia nova e fresca sobre um tema possivelmente estafado como o do futebol e dentro deste, em particular, sobre um clube: o Vitória. A novidade foi a de deslocar, no glorioso dia da final da Taça de Portugal, o interesse fotográfico do campo para as bancadas e para os adeptos. As estrelas da exposição fotográfica, e do magnífico livro que a irá suportar, não são os que estão no campo a construir pelos golos e pelo esforço o resultado, mas aqueles que fora do campo o sentem, o perseguem, o choram. De certa forma também o construíram e também o determinaram com a sua paixão e dedicação, com uma esperança sem limites que encheu o ar do estádio nacional de um sentimento ao mesmo tempo de pertença e de desejo. O foco da exposição é também a viagem, o farnel, o convívio que apesar do nervoso miudinho também se fez, e o regresso mais feliz da nossa história como vitorianos. A vitória nunca foi o propósito da ideia inicial, nem o poderia ou deveria ter sido. A vitória foi um bónus feliz do destino que se quis, assim, associar à exposição d’ O DIA V.
Os fotógrafos Miguel Oliveira, Ricardo Leite e Ricardo Rodrigues trabalharam a sua arte de frente para os adeptos e de costas para o relvado. Não fotografaram o óbvio nem o acessório, nem qualquer coisa que ficasse no meio disso, fotografaram “apenas” aquilo que muitas vezes queremos explicar e não conseguimos quando falamos em paixão. Fotografaram o que está muitas vezes escondido das palavras, o infotografável friozinho na barriga, o sentimento de comunhão,  a lágrima interior, o ser-se vitoriano.
O jogo da final da Taça foi apenas um pretexto feliz para a ideia ambiciosa de guardar em imagem uma benigna doença com mais de nove décadas de existência. Implacavelmente genética e deliciosamente incurável.

Espero que a força da ideia trabalhada e partilhada por muita gente corresponda à sua materialização em exposição e em livro, e agrade às pessoas para a qual foi pensada e realizada. A tentativa fugir à vulgaridade e ao óbvio foi uma marca fundamental que agora se testará. Chegou a altura da ideia, com a provecta idade de três meses, nascer finalmente para a comunidade. A ideia nasceu e cresceu, como se saberá, na confluência das vontades e dos contributos da associação Muralha, do Cineclube de Guimarães e do Conselho Vitoriano. Foi uma soma aritmeticamente impossível. Foi para além das partes.
A ideia original, partilhada no estranho rigor criativo do Eduardo Brito, foi crescendo e derivando com o contributo de novas ideias e propostas, nas quais os fotógrafos se envolveram para além daquilo que se lhes pediu ... o que já era muito. O envolvimento da direção do Cineclube, e em particular do Carlos Mesquita, deu corpo e substância ao que agora se vai começar a mostrar. O apoio da Oficina e da Capital Europeia do Desporto foi também importante para a dimensão pública da ideia a que o meu amigo Júlio Mendes, presidente do nosso Vitória, embarcou com entusiasmo.
O DIA V, a Vénus de Milo ou o binómio de Newton são ideias. O eventual prazer de reparar nelas é nosso.
Não faltem à inauguração, e se faltarem não percam a exposição até 8 de setembro. E o livro! Boas férias.





Publicado in Comércio de Guimarães

Sem comentários: