terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Ambição





É provável, admito, que eu seja pouco ambicioso ao nível daquilo que espero do Vitória. Para esta época não esperava muitos mais pontos daqueles que efetivamente temos, olhando para o plantel composto por jovens, ilustres desconhecidos, e para um dos orçamentos mais contidos da primeira liga. É possível.
É possível ainda, admito, eu ter achado através de várias informações que fui recolhendo que o Vitória esteve mesmo para estourar do ponto de vista financeiro, e que os últimos anos foram um autêntico milagre alicerçado no trabalho incansável de muita gente – direção, equipa técnica, jogadores – que tornaram possível fazerem-se omeletes sem ovos. O desaparecimento do Vitória foi algo que sempre me arrepiou, pois ele é um património insubstituível de Guimarães e do futebol português.
Por isso espanto-me com a capacidade que o Vitória tem demonstrado em vender cada vez melhor os não-ovos do início da época. A venda do Traoré e do Hernâni, a preços bem mais interessantes que aquilo que tivemos de fazer com o Paulo Oliveira, são para mim excelentes notícias para a sustentabilidade do clube, desde que, claro, não se torne a cair no mesmo e se continue a apostar nos jovens talentos e na capacidade de os revelar.
Por outro lado o facto de conservarmos o André é a grande novidade. É possível construir-se uma equipa à volta dele e gostaria de o ver ainda durante uma década aqui. Vê-lo levantar uma outra taça, levar-nos à champions e, se fosse ambicioso, vê-lo capitanear-nos a ganhar um campeonato.

Ou será que estou a ver mal?


Foto: Guimarãesdigital

Sem comentários: