segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Inevitável

0000168074

O genial José Mourinho tem este ano uma tarefa (praticamente) impossível. A jogar contra uma das melhores máquinas de futebol que alguma vez vi (o Barcelona) não me parece que os craques do Real tenham quaisquer hipóteses.

Aliás foi o Barcelona que (ironia das ironias) deu o Campeonato do Mundo à Espanha.

Por isso espera-se de Mourinho muito jogo fora do campo. Muita polémica, muita palhaçada, muita tensão. O futebol também é isso…

 

Foto_Reuters

4 comentários:

Rui Silva disse...

Pois também é isso. Numa sociedade em que o que mais importante (a única coisa que interessa?) é vencer, e que por isso todos os meios são legítimos, é perfeitamente natural que José Mourinho seja um génio.

Para mim há-de continuar a ser um muito bom treinador de futebol e ao mesmo tempo um palhaço-espertalhão, talvez a personagem mais próxima que alguma vez conheci do mítico Dick Dastardly, das célebres Corridas Loucas.

Rui Vítor Costa disse...

Seria injustíssimo reduzir os seus méritos aos mind games. E tu sabes isso.

Rui Silva disse...

Não o estou a reduzir a isso. Mas acredito que seja essa a pequena diferença que o faz ganhar mais do que perder. Aliás estou apenas a concordar com o teu texto, Rui: dizes que vai defrontar a melhor máquina de futebol (grandíssimo treinador, o Guardiola, e injustamente, até por personalidade, secundarizado pela imprensa) e que se espera do Mourinho muito jogo fora do campo.

Rui Vítor Costa disse...

O Guardiola é efectivamente secundarizado por não ser um artista mediático. É o q temos...