quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Ocidente - II

“(…)Se as democracias ocidentais se unirem no estrito respeito da Carta das Nações Unidas, a sua influência na disseminação destes princípios será imensa e ninguém será capaz de as incomodar. Mas se elas estiverem divididas, se faltarem ao seu dever e se deixarem passar estes anos tão importantes, então efectivamente arriscamo-nos a que uma catástrofe se abata sobre todos nós (…)”

Winston Churchill. Westminster College.. 5 de Março de 1946.

 

Potrait_of_Sir_Winston_Churchill

A democracia, marca indelével do ocidente, não é de forma alguma um dogma, é uma conquista que necessita, dia a dia, do empenhamento de todos. É um work in progress na expressão de língua inglesa, ou seja, é algo que se vai construindo, algo que nunca é adquirido mas continuamente conquistado.

Na Europa e nos EUA de hoje, a braços com tremendos problemas sociais e económicos é premente que os povos percebam e sintam que a democracia é o valor fundamental a defender. Que esses mesmos povos não confundam a democracia com o sistema político que, por vezes, produz gente sem escrúpulos. O remédio para esses males é a própria democracia e nunca o totalitarismo.

Os inimigos da sociedade aberta continuam vivos e activos. A esquerda ressabiada com a queda do Muro de Berlim continua em permanente frenesi contra os capitalistas e a globalização. A direita saudosista dos homens providenciais continua a ver no multiculturalismo, que distingue o ocidente, o germe de todos os males. A uns e a outros a liberdade incomoda. Para uns e para outros o Estado não deve ser o árbitro mas o único jogador e a ordem colectiva deve sobrepor-se à liberdade individual.

Fala-se, e com razão, de que faltam líderes. Não podemos ter sempre a sorte de ter gente com a visão e a inteligência de um Churchill (que foi citado nesta crónica), mas deveríamos ter algo melhor do que os actuais líderes europeus. No entanto é necessário que todos nos interessemos um pouco mais sobre a coisa pública e que consigamos ver para além da aparência.

Sem comentários: