segunda-feira, 10 de maio de 2010

A bela e o monstro

dora nogueira i

Inês de Medeiros deixou (propositadamente) arrastar uma situação desagradável para si e para o país, ganhou o direito de lhe serem pagas as viagens a Paris e, perante a pressão mediática, prescindiu do pagamento dessas viagens. Só lhe ficou bem, apesar da montagem farisaica que todo o caso teve.

DN

Do outro lado da barricada está Ricardo Rodrigues. Uma vergonha nacional que deveria, desde logo, indignar os seus colegas parlamentares. A defesa que Assis dele fez conseguiu igualar a desfaçatez e a falta de carácter revelada pelo deputado do PS.

Sempre defendi o Parlamento da inveja e ignorância da populaça. Agora não: este caso é grave demais para sarar com o tempo ou ser relativizado. É uma indignidade sem tamanho.

Sem comentários: